Blitz no Brás apreende produtos pirateados e interdita galpões

Cerca de 70 policiais civis, 4 delegados e 30 fiscais da prefeitura participaram da Operação Oriente, no Brás, envolvendo o Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic) e a Subprefeitura da Mooca, onde quatro galpões foram fiscalizados e lacrados por falta de alvará. Os galpões, que ficam em um quadrilátero do Brás, sendo dois na Rua Monsenhor de Andrade, um na Henrique Dias e outro na Rua Oriente, abrigavam guarda-volumes onde os vendedores ambulantes da região, principalmente os da popularmente conhecida como "feirinha da madrugada", guardam seus objetos e mercadorias. Ao todo, oito caminhões e dez peruas foram carregados com os 1500 sacos de produtos contrabandeados, entre produtos eletrônicos, roupas e óculos. Entre ambulantes e proprietários dos galpões, 130 pessoas foram encaminhadas ao Deic para averiguação. A maioria dos comerciantes que estavam no local são bolivianos, chineses, coreanos e peruanos. A polícia suspeita que esses galpões, além de alimentar o comércio irregular do Brás, sejam responsáveis pela distribuição de produtos pirateados na região da Rua 25 de Março. A Subprefeitura estima que na região do Brás existam 5 mil ambulantes irregulares e menos de 900 regulares. Durante a operação, também foi apreendido um ônibus carregado de material contrabandeado (também roupas, eletrônicos e óculos).

Agencia Estado,

10 Fevereiro 2006 | 13h57

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.