Blitze da lei seca na capital levam 10 motoristas a DPs

Segundo a PM, 340 foram abordados e 139 passaram pelo bafômetro

Ricardo Valotta e Gilberto Amendola, O Estadao de S.Paulo

13 de julho de 2008 | 00h00

Dez motoristas foram levados para a delegacia entre a noite de sexta-feira e a madrugada de sábado, nas blitze da Operação Direção Segura. Eles foram apanhados pela chamada lei seca, em vigor desde 20 de julho, que proíbe dirigir com qualquer dose de álcool no sangue. Segundo a Polícia Militar, 340 pessoas foram abordadas e 139 motoristas foram submetidos ao bafômetro. Desses, 14 condutores estavam com álcool no sangue. Dos 14 infratores, dez foram encaminhados para a delegacia ou porque apresentavam sinais de embriaguez e se recusaram a fazer o teste ou porque foram flagrados pelo aparelho com no mínimo 0,3 mg de álcool. Um motorista, liberado pelo bafômetro, foi para a delegacia porque era procurado pela Justiça.Na operação realizada quinta-feira, pela primeira vez desde que a lei foi sancionada nenhum condutor foi flagrado. Os policiais abordaram 87 pessoas na região sul da capital - 50 sopraram nos bafômetros e nenhum apresentou dosagem alcoólica no sangue.Ontem, as blitze ocorreram em 16 endereços. Dos 12 informados pela Polícia Militar, metade era na zona leste. São eles: Avenida São Miguel com Rua São Quintino; Avenida Governador Carvalho Pinto com Rua Amorim Diniz (Penha); Avenida Jacu-Pêssego (Vila Jacuí); Rua Afonso de Souza (Itaquera); Avenida Rio das Pedras com Avenida Mateo Bei (São Mateus) e Avenida Aricanduva com Rua Bernardino Ferreira. Bloqueios ocorreram também na Rua Cardoso de Mello Jr. (Alto de Pinheiros, zona oeste); Avenida Engenheiro Luiz Carlos Berrini com Avenida dos Bandeirantes e Rua Funchal com Avenida Juscelino Kubitschek (Vila Olímpia, zona sul). Na zona norte, a fiscalização foi na Avenida Brás Leme com Rua Sóror Angélica (Casa Verde); Avenida Luís Dumont Villares com Azir Antonio Salton (Vila Isolina Mazzei) e Avenida Engenheiro Caetano Álvares com Rua Antíoco (Imirim).Especialistas avaliam que a legislação já interferiu no comportamento dos motoristas. Balanço feito no Hospital das Clínicas (zona oeste), Regional Sul (zona sul) e Mandaqui (zona norte) apontou queda de 55% na entrada de pacientes nos prontos-socorros, comparando os dias 4, 5 e 6 de julho com o fim de semana de 27 a 29 de junho. Pesquisa InformEstado divulgada semana passada mostrou que 72,7% dos motoristas concordam com mais rigor para quem mistura álcool e direção. Pela nova lei, quando o bafômetro indica de 0,1 a 0,29 mg de álcool, paga-se multa de R$ 957,20 e corre-se o risco de suspensão da carteira de habilitação por 12 a 24 meses; acima de 0,3 mg, há multa, risco de perda da habilitação e de detenção de 6 meses a 3 anos (responder em liberdade custa fiança que varia de R$ 300 a R$ 1.200).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.