Bloqueadores custarão R$ 1 milhão em cada presídio

O superintendente de radiofreqüência e fiscalização da Agência Nacional de Telecomunicações, Edilson Ribeiro, disse nesta quinta-feira, 18, que será necessário gastar em média R$ 1 milhão em cada presídio para a instalação de bloqueadores de celulares. Ontem, a Justiça determinou o bloqueio dos sinais de telefonia celular nas áreas onda há presídios em seis cidades do Estado de São Paulo. A medida deverá entrar em vigor em 48 horas, segundo determinação do Departamento de Inquéritos e Polícia Judiciária do Tribunal de Justiça de São Paulo. A estações de rádio base de todas as operadores de telefonia celular nas regiões próximas aos presídios das cidades de Avaré, Presidente Venceslau, Iaras, Araraquara, São Vicente e Franco da Rocha serão desligadas, segundo ordem do diretor do Dipo, juiz Alexis Tadeu Monteiro Zilenovski.Ribeiro participa de audiência da CPI do Tráfico de Armas, na Câmara, para explicar como funciona o bloqueio dos celulares. Ele disse que esse valor de R$ 1 milhão é para elaboração do projeto que cubra todas as radiofreqüências por onde passam as ondas dos celulares e para a compra de equipamentos. Ontem o ministro das Comunicações, Hélio Costa, havia dito que ao todo existem 300 presídios no País. Com isso, de acordo com a previsão do superintendente da Anatel, seriam necessários R$ 300 milhões. Ainda ontem, depois da reunião com representantes das operadoras de telefonia celular e os ministros das Comunicações e da Justiça, ficou acertado que caberá às companhias telefônicas a compra e a instalação desses equipamentos e a adoção de outras medidas necessárias para bloquear a comunicações por celular nos presídios.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.