Blythe, a boneca dos adultos modernos

Criada em 1972 e relançada 3 décadas depois, ela virou mania fora do País

Valéria França, SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

22 de março de 2008 | 00h00

Ela não é tão popular como a Barbie, mas virou objeto de desejo de muitas paulistanas, principalmente as do mundo da moda e do design. A boneca Blythe chegou oficialmente ao País há cerca de um ano, depois de virar sucesso internacional. Não é exagero. John Galliano, Prada, Gucci e Issey Miyake são algumas das marcas que desenvolveram roupinhas exclusivas para ela. Blythe também já foi garota propaganda de campanhas da Sony, na Europa. Chegou a ser manequim de vitrine da Bloomingdale?s, loja de departamento de Nova York. Há até um desfile de moda beneficente que leva seu nome, em Tóquio. Antenada, a paulistana Carina Duek - filha de Tufi, estilista da Forum e da Triton - fez o caminho inverso dos estilistas internacionais. "Me inspirei na Blythe para confeccionar uma coleção de roupas para as clientes." Foi uma das primeiras coleções que Carina criou para sua butique, numa vila dos Jardins. "Quase ninguém conhecia a boneca. Mas ela logo fez sucesso."Carina tem 15 Blythes. Algumas enfeitam a loja. E há sempre cliente que aparece querendo comprar. "Elas não estão à venda", repete a gerente. "Mas já tive de dar umas de presente", diz Carina. Uma delas foi para a amiga e também estilista Adriana Barra, que se apaixonou pelo brinquedo e não conseguia encontrá-lo no mercado. Como são poucos os endereços de revenda, há uma verdadeira caça à boneca na web. A Blythe também gerou comunidades no Orkut, com integrantes que trocam informações, oferecem modelos de segunda mão e anunciam leilões. E há ainda páginas especializadas, como www.thisisblythe.com ou www. Blythedoll.com. Sem contar os blogs de colecionadores. No www.flickr.com, há fotos de uma inglesa customizadora de Blythes. Ela registra mínimos detalhes, como mudança de olhos - a boneca vem com uma cordinha que permite trocar o tom dos olhos. Eles se alternam entre verde, azul, rosa e laranja."Atualmente temos apenas dois modelos na loja", diz Marcos Kichmoto, vendedor da Plastic, loja especializada em toy art nos Jardins. "A Blythe está entre nossos artigos mais procurados, mas a produção é limitada." Há três tamanhos. O modelo maior, com 27 cm, custa de R$ 1 mil a R$ 3 mil, caso da Blythe Bride (noiva), que vem com véu, grinalda, aliança, buquê e sapatinhos de salto alto. Os modelos menores - a mini, de 8 cm, e a micro, de 5 cm - saem por R$ 300 e R$ 150, respectivamente.A Blythe foi criada em 1972 pela empresa americana Kenner para ser uma boneca de criança. Suas proporções estranhas - cabeça enorme, corpo pequeno e olhos esbugalhados - assustaram as crianças e ficou apenas um ano no mercado. Ela voltou a ser fabricada em 2001, mas pela japonesa Takara. Quem quiser um modelo vintage, prepare o bolso: são R$ 6 mil.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.