Marcos de Paula/AE
Marcos de Paula/AE

Boato sobre rompimento de represa causa pânico em Nova Friburgo

Fuzileiros navais orientavam a população a procurar lugares altos; Prefeitura desmentiu informação

Agência Brasil,

14 de janeiro de 2011 | 14h57

NOVA FRIBURGO - A notícia de que uma represa havia se rompido e inundaria o centro da cidade de Nova Friburgo, na região serrana fluminense, levou pânico e correria às ruas da cidade. Fuzileiros navais que trabalham dando assistência médica e ajudando no resgate de vítimas no município orientavam a população a procurar lugares altos, para evitar que fossem levadas pela suposta enxurrada. A informação, porém, foi desmentida pela prefeitura da cidade.

 

Os próprios fuzileiros abandonaram o hospital de campanha que ainda está sendo montado no terreno da prefeitura e procuraram refúgio em ruas mais altas. Vários funcionários da prefeitura foram evacuados por causa da notícia. Pessoas choravam nas ruas e tentavam buscar um lugar seguro. Um engarrafamento se formou, quando carros tentaram também sair da suposta área de risco.

 

Segundo a prefeitura de Nova Friburgo, a notícia do rompimento da barragem foi apenas um boato. De acordo com o secretário municipal de Comunicação, David Massena, não houve qualquer rompimento de barragem.

 

 

Veja também:

linkDeslizamento é um dos dez maiores do mundo, diz ONU

linkA tragédia vista de perto: relatos de quem perdeu tudo

linkIML de Teresópolis improvisa contêiner para vítimas

linkVeja como fazer doações para moradores do Rio

linkDilma promete ajuda no 'resgate e na reconstrução'

mais imagens GALERIA - Fotos da tragédia na Região Serrana

 

 

Mesmo que houvesse, segundo ele, a água não seria capaz de inundar o centro da cidade. "A imprensa tem veiculado que esse é o maior desastre do Brasil e as pessoas criam esse pânico. É natural. A gente mora numa cidade que é um vale. Todo mundo mora perto de encosta. Esse acidente não escolheu pobre nem rico. Então todo mundo ficou muito apreensivo. Mas não passou de boato", disse.

Mais conteúdo sobre:
chuvasRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.