Boeing comemora entrega de primeiro 787 Dreamliner

Funcionários da Boeing entregaram em mãos o primeiro 787 Dreamliner nesta segunda-feira, para a All Nippon Airways, encerrando quase uma década de desenvolvimento do jato comercial mais avançado do mundo.

REUTERS

26 Setembro 2011 | 15h28

Quinhentos trabalhadores de Seattle, com ajuda de um rebocador, puxaram o avião por quase 100 metros em direção aos compradores japoneses, que estavam em um pódio no lado de fora da fábrica em Everett (Washington).

A entrega em mãos é uma prova da estrutura leve do avião, que promete uma economia de 20 por cento de combustível, mas também do ritmo lento da fabricação, que teve uma série de atrasos.

"O 787 representa uma revolução fundamental, uma mudança transformacional no projeto, produção e performance de aviões", disse o presidente-executivo da Boeing, Jim McNerney, a uma multidão de cerca de 5 mil pessoas que portavam guarda-chuvas por causa da chuva.

As ações da Boeing disparavam 3,5 por cento nesta segunda-feira.

"Não posso esperar para ver o dia quando os céus do mundo estarão tomados por 787s", disse o presidente da ANA, Shinichiro Ito.

Investidores agora querem saber se a Boeing tem uma carta na manga para bater a meta de produção depois de três anos de atrasos e sete adiamentos.

"Agora é hora de a Boeing olhar para frente e não mais para trás, com foco no processo de fabricação e satisfação do cliente", afirmou o estrategista Howard Wheeldon, da corretora londrina BGC Partners.

A aeronave de longo alcance custa 200 milhões de dólares e tem um elegante design. A Boeing vendeu mais de 800 Dreamliners, que competirão com o futuro Airbus A350, que ficará pronto provavelmente em meados desta década.

A Boeing espera elevar a produção do 787 para 10 unidades por mês até o final de 2013, enquanto acelera a produção do 737, que passou por uma atualização, e se prepara para montagem do cargueiro 767 para a força aérea dos Estados Unidos.

Mais conteúdo sobre:
AEREAS BOEING DREAMLINER*

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.