Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Bola Preta e Bloco da Favorita levam 1,3 milhão às ruas do Rio

Bloco de rua mais tradicional da capital fluminense, o Bola Preta tem como porta-estandarte a atriz Leandra Leal; já a cantora Maria Rita é a rainha

Constança Rezende e Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

25 Fevereiro 2017 | 10h57
Atualizado 25 Fevereiro 2017 | 20h55

RIO – O primeiro dia de carnaval no Rio de Janeiro foi marcado pelo desfile de dois tradicionais blocos, por onde passaram um milhão e trezentas mil pessoas. A Riotur, órgão de turismo da prefeitura, informou no início da tarde que 800 mil foliões estiveram no Cordão da Bola Preta, a partir das 10 horas, no Centro. Já o Bloco da Favorita arrastou 500 mil de pessoas na Avenida Atlântica, na orla de Copacabana, na zona sul.

Segundo a Riotur, 78 blocos desfilam pelas ruas do Rio no sábado de carnaval. À tarde, ainda aconteceram os desfiles de outros blocos tradicionais, como a Banda de Ipanema e o Bloco do Barbas, fundado pelo jornalista Nelson Rodrigues Filho, filho do cronista e dramaturgo, que desfilará em Botafogo, às 15 horas.

O desfile do Bola Preta terminou por volta de 14 horas. O bloco tem como porta-estandarte a atriz Leandra Leal. A rainha é a cantora Maria Rita. Já o cantor Neguinho da Beija-Flor foi um dos cantores das marchinhas tradicionais tocadas pelo bloco. De acordo com a Riotur, equipes do Programa Lixo Zero, da Comlurb, a empresa municipal de limpeza urbana, multaram 88 foliões no desfile no Centro, 12 pessoas por jogar lixo no chão e 76, por urinar nas ruas.

Por volta das 9 horas, o movimento de foliões já era grande na concentração do Bola Preta, na Rua Primeiro de Março, uma das principais via do centro. Foliões usavam a tradicional camisa do bloco, branca com as bolas pretas, desta vez, na versão comemorativa que festeja os 99 anos de fundação do Bola Preta. Foi o caso de Francisco Antunes, de 68 anos, folião desde jovem. “O desfile do Bola é perfeito, os músicos são ótimos e aqui eu encontro muitos amigos”,  disse o servidor público aposentado.

Rogério Amaro, de 28 anos, que estava com um grupo de amigos vestidos de índio, disse que o Bola Preta seria apenas o primeiro bloco da jornada do primeiro dia de carnaval. “A gente quer ir a mais três blocos depois daqui. É só todo mundo aguentar o ritmo para a gente não perder ninguém”, disse.

As amigas Larissa Costa, de 24 anos, e Camila Pinheiro, de 26 anos, foram ao bloco vestidas, respectivamente, de Mulher Maravilha, uma das fantasias mais escolhidas, e de noiva. “Chegamos cedo para conseguir uma posição boa, mas daqui a pouco fica tudo lotado e quase não dá mais para andar”, disse Larissa, ainda na concentração. “O bom é que hoje não está o calor da semana passada. Tudo perfeito”, completou Camila.

O sábado de carnaval amanheceu nublado, depois de vários dias de sol e calor no Rio. Com um público diferente, adepto ao funk e músicas pop, o Bloco da Favorita lotou a Avenida Atlântica, em Copacabana. As atrizes Juliana Paes e Bruna Marquezine participaram do evento. Houve confusão quando foliões pressionaram o cordão de isolamento feito por seguranças no bloco e a Guarda Municipal precisou agir.

Em Santa Teresa, o bloco Céu na Terra, famoso pela criatividade das fantasias, começou a reunir foliões em Santa Teresa por volta das 6 horas. Um grupo se fantasiou como os bondinhos amarelos que ainda circulam pelo bairro e alguns foliões pediram a saída do presidente Michel Temer. Segundo a Riotur, os organizadores do Céu na Terra esperavam que pelo menos 10 mil pessoas comparecessem ao desfile.

Tiros. Um policial civil à paisana disparou dois tiros para o alto na manhã deste sábado, 25, em Copacabana, bairro da zona sul carioca, onde foliões comemoram o carnaval. Ele atirou “a favor das vítimas”, informou a assessoria da Polícia Civil, por meio de sua assessoria de imprensa.

O policial teria percebido que ladrões roubavam passageiros de um ônibus, na rua Barata Ribeiros, uma das mais movimentadas do bairro, e atirou para “tentar dissuadir os assaltantes”, traz o comunicado da Polícia Civil. “Diligências estão em andamento para identificar os assaltantes e esclarecer todas as circunstâncias do fato”, segundo a assessoria.

Mais conteúdo sobre:
Leandra LealBolaLarissaInpe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.