Boletim de Lula diz que Alckmin quebrou a agricultura

Boletim da campanha à reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), divulgado na noite de quarta, 25, informa que o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), seu adversário no segundo turno, "quebrou a agricultura do Estado".O boletim chega a comparar a área agropecuária com a crise na segurança pública após os ataques do PCC em várias cidades paulistas. "O ´choque de gestão´ que Geraldo Alckmin promoveu na segurança pública de São Paulo ajuda a entender o PCC. O mesmo ´choque´ aplicado à agricultura paulista foi responsável pelo sucateamento e pelo abandono do setor", informa o documento, distribuído por e-mail pela assessoria de Lula.O deputado federal eleito Antonio Duarte Nogueira Júnior (PSDB), ex-secretário de Agricultura de Alckmin entre 2003 e 2006, respondeu, de forma dura, às críticas feitas pelos petistas no boletim. "Quem quebrou a agricultura brasileira foi o PT, que é o culpado pela pior crise do setor nos últimos 40 anos. E não adianta culpar São Pedro, porque o culpado é o São Lula", ironizou Nogueira.O ex-secretário afirmou que o governo Alckmin contratou 382 pesquisadores, aumentou no último ano 20% os recursos para a área de pesquisa e 1.016 novos funcionários serão contratados por meio de um concurso já aberto, 450 para a área de defesa agropecuária. "São Paulo não tem um foco de aftosa há dez anos e foi no governo Lula, que abandonou também a defesa agropecuária, quando retornaram os focos da doença, justamente em um estado governado por um petista", afirmou o ex-secretário, numa referência ao foco da aftosa, surgido há um ano no Mato Grosso do Sul, governado por Zeca do PT.Por fim, Nogueira relatou números que apontam para uma redução de R$ 170 bilhões para R$ 133 bilhões no valor da produção agropecuária brasileira durante o governo Lula, e um aumento de R$ 21 bilhões para R$ 29,7 bilhões no valor da produção do setor em São Paulo no mesmo período, durante o governo Alckmin.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.