Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro defende privatização com uso de 'Golden Share'

Em vídeo nas redes sociais, deputado diz que uso de ações de classe especial pode proteger Brasil contra interesses dos chineses

Dayanne Sousa, O Estado de S.Paulo

03 Dezembro 2017 | 13h02

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) publicou um vídeo nas redes sociais, na manhã deste domingo, em que discorre sobre suas propostas como candidato à presidência. No vídeo, ele diz que discutiu "com amigos da área econômica" o tema das privatizações e voltou a defender a utilização de ações de classe especial, as chamadas "golden share", na alienação de empresas estatais — como já havia feito em entrevistas recentes.

"Discuti isso com amigos da área econômica: como você fazer essas privatizações de modo que a China ou qualquer país que seja não seja dono do Brasil", disse o deputado. Ele defendeu a "golden share" como uma forma de "o Brasil ter oportunidade de decidir nas questões estratégicas". Afirmou ainda, citando a Embraer, que um formato possível de privatização é a venda de ações de forma pulverizada. "Nessa linha, nós podemos partir", disse.

O vídeo foi gravado em formato de entrevista, com o jornalista Carlos Campbell fazendo perguntas ao deputado.

Bolsonaro voltou a criticar a presença de capital chinês. "A China não está comprando no Brasil. Está comprando o Brasil." O deputado justificou a preocupação com o interesse chinês em ativos brasileiros alegando que estrangeiros têm o desejo de comprar terras agricultáveis no Brasil e que isso prejudicaria a segurança alimentar no País.

Outro tema abordado no vídeo é a reforma tributária. Bolsonaro afirma que tem discutido o assunto, "apesar de não ser minha área de atuação, essa área econômica". O deputado não dá detalhes de sua visão sobre propostas de reforma tributária. Afirma apenas que não se pode "penalizar (com elevação de impostos) o setor da sociedade que é responsável por empregar". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.