Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Bolsonaro diz que horário de verão vai acabar este ano

Presidente sinalizou que tendência é eliminar mudanças nos relógios do Brasil em 2019

João Caminoto e Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2019 | 11h31

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) disse nesta quinta-feira, 5, que neste ano o Brasil não terá o horário de verão e sinalizou que para o futuro a tendência é que a mudança nos relógios seja eliminada do calendário do País. “Tomei a decisão que neste ano não teremos horário de verão”, disse, durante café da manhã com jornalistas. Mais tarde, ele confirmou a decisão no Twitter. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Tomei a decisão que neste ano não teremos horário de verão
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Jair Bolsonaro, presidente do Brasil

Esta semana, o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, informou que a pasta vai finalizar nos próximos dias os estudos sobre o tema. O material será entregue ao presidente Bolsonaro, que decidirá em caráter definitivo pela continuidade ou não do horário de verão no País.   

Segundo o ministro, a decisão tem que ser tomada neste momento e não leva em conta apenas dados econômicos, mas outros fatores como sobrecarga e picos de consumo, por exemplo. 

Na entrevista aos jornalistas, Bolsonaro contou que a iniciativa foi do deputado João Campos (PRB-GO). Segundo o presidente, o parlamentar o procurou para fazer “um arrazoado para não ter horário de verão”.

Pouco antes do anúncio oficial, o porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, confirmou a intenção do presidente. Segundo ele, além dos estudos técnicos, uma pesquisa interna encomendada pelo Ministério de Minas e Energia mostrou que 53% da população é a favor do fim do horário de verão. “Esta é a posição para este ano. Para o próximo ano, faremos avaliação posterior.”

Estudo

Em nota, o Ministério de Minas e Energia disse que levou em consideração mudanças em hábitos de consumo e na configuração do sistema elétrico brasileiro para propor a suspensão do horário de verão. Segundo a pasta, o País registrava, até alguns anos atrás, o maior pico de consumo de energia elétrica no início da noite - o que permitia melhor aproveitamento da luz natural com o adiantamento dos relógios -, mas isso já não ocorre mais.

"Nos últimos anos houve mudanças no hábito de consumo de energia da população, deslocando o período de maior consumo diário para o período da tarde, quando o Horário de Verão não tem influência", disse o ministério. "Estudos indicaram que o Horário de Verão deixou de produzir os resultados para os quais essa política pública foi formulada."

Pelo mundo

O debate sobre o fim do horário de verão não ocorre só no Brasil. Em 26 de março, o Parlamento Europeu aprovou, com participação recorde. A proposta inicial previa que o horário de verão acabasse imediatamente, mas a medida valerá a partir de 2021. / COLABOROU ANNE WARTH

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.