Adriano Machado/Reuters
Adriano Machado/Reuters

Bolsonaro diz que vai enviar mais três projetos de segurança pública para o Congresso

Nesta semana, Jair Bolsonaro mandou para o Congresso projeto de lei sobre excludente de ilicitude em ações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO)

Mateus Vargas, O Estado de S.Paulo

23 de novembro de 2019 | 15h36

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado, 23, que, além de projeto sobre excludente de ilicitude para agentes em ações de Garantia da Lei e da Ordem (GLO), o governo enviará outras três propostas ao Congresso Nacional sobre segurança pública. 

Bolsonaro não detalhou o teor das propostas ainda não enviadas. Segundo afirma, elas estão sob análise da equipe jurídica do Palácio do Planalto.

Enviado na quinta-feira, 21, por Bolsonaro ao Legislativo, o projeto ressuscita o chamado excludente de ilicitude que a Câmara dos Deputados já rejeitou por duas vezes este ano, sob o argumento que seria uma espécie de “licença para matar”. 

Para especialistas, o texto é vago e pode ser usado em casos que a GLO for convocada para reprimir manifestações. A proposta é uma promessa de campanha de Bolsonaro. Ao anunciar o envio, o presidente afirmou que era um marco importante na luta contra a criminalidade.

Ele também disse que “ladrão de celular tem de ir pro pau”, numa referência a uma fala do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Uma semana atrás, o petista disse que "não aguenta mais um jovem ser morto porque roubou um celular".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.