Andre Coelho
Andre Coelho

Bolsonaro fala em acolher venezuelanos, mas com pressão a país vizinho

Após visitar o Santuário da Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP), Bolsonaro falou que seu governo não vai deixar o Estado de Roraima, que faz fronteira com a Venezuela, "abandonado à própria sorte"

Daniel Weterman, Enviado especial

30 Novembro 2018 | 18h36

CACHOEIRA PAULISTA (SP) - Diante da crise migratória que envolve a entrada de venezuelanos no Brasil, o presidente eleito, Jair Bolsonaro, afirmou que o País precisa acolher os imigrantes, mas que deve também pressionar o governo vizinho para que mude sua política de atendimento à população.

Após visitar o Santuário da Canção Nova, em Cachoeira Paulista (SP), Bolsonaro falou que seu governo não vai deixar o Estado de Roraima, que faz fronteira com a Venezuela, "abandonado à própria sorte".

"No que depender de mim, vamos acolhê-los. Ninguém está saindo de lá porque quer, está saindo por causa da fome e da ditadura. Devemos acolher, sim, mas também buscar maneiras de pressionar o governo (da Venezuela) para que aja de maneira diferente", afirmou.

De acordo com Bolsonaro, os governos do PT deveriam ter imposto sanções ao então presidente venezuelano Hugo Chávez quando o processo classificado por ele como ditadura começou a ser implantado no país vizinho. Outro erro, afirmou o presidente eleito, foi permitir a entrada da Venezuela no Mercosul.

Mais cedo, o presidente eleito também falou sobre o acordo comercial em andamento entre o Mercosul e a União Europeia, ameaçado pela polêmica da possível saída do Brasil do pacto sobre o clima. 'Não demos um não definitivo', disse Bolsonaro.

Angra 3

Também na entrevista, Jair Bolsonaro declarou que a conclusão de Angra 3 é "prioridade" para seu governo. Nesta sexta-feira, ele anunciou o diretor geral de Desenvolvimento Nuclear e Tecnológico da Marinha, almirante de esquadra Bento Costa Lima Leite de Albuquerque Junior, para o cargo de ministro de Minas e Energia. Bolsonaro afirmou que, com a gestão do futuro ministro, será possível desenvolver a geração de energia através da fonte nuclear, além de solar e eólica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.