Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Bolsonaro mandou apurar o 'que tem que ser apurado', diz ministro da Defesa sobre 80 tiros no Rio

Em audiência pública na Câmara dos Deputados, Fernando Azevedo e Silva comentou fuzilamento do músico Evaldo Rosa dos Santos em Guadalupe, zona norte do Rio

Fabio Serapião, O Estado de S.Paulo

10 de abril de 2019 | 14h31

BRASÍLIA - O ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, disse nesta quarta-feira, 10, que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) mandou apurar "o que tem que ser apurado" sobre os 80 tiros disparados por militares contra o veículo de uma família no Rio de Janeiro.

No último domingo, dez militares dispararam mais de 80 tiros contra um veículo em Guadalupe, zona norte do Rio, que supostamente foi confundido com um automóvel em que estariam criminosos. No carro estavam o músico Evaldo Rosa dos Santos, de 46 anos, e sua família.

O músico morreu no local e duas pessoas ficaram feridas. O corpo de Santos foi sepultado na manhã desta quarta-feira, 10, cemitério de Ricardo de Albuquerque, na zona norte do Rio.

O ministro participa de audiência pública na Comissão de Relações Exteriores na Câmara dos Deputados. Azevedo e Silva fala sobre os planos de sua pasta para 2019. "O presidente falou: apure o que tem que ser apurado", disse Azevedo e Silva, ao dizer que disparar 80 tiros não é normal. 

Mais cedo, na mesma audiência, o ministro classificou como "lamentável e triste incidente" a ação dos militares e disse que as Forças Armadas vão "cortar na própria carne".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.