Presidência da República
Presidência da República

Bolsonaro oferece equipamentos de Israel para ajudar em busca por vítimas

Segundo comandante do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, presidente disse que disponibilizará aparelhos com tecnologia capaz de localizar pessoas que estejam enterradas

Marcelo Faria e Carla Bridi, Especial para O Estado

26 Janeiro 2019 | 14h09

BELO HORIZONTE - Após sobrevoar a área da tragédia em Brumadinho, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu com o governador Romeu Zema, o presidente da Vale Fabio Schvartsman, a procuradora-geral da República Raquel Dodge, ministros e representantes do governo de Minas Gerais no Aeroporto de Confins e colocou à disposição do Estado recursos do governo federal, como reforços nas equipes de buscas e equipamentos.

Ao retornar a Brasília, o presidente afirmou à imprensa que "infelizmente, pode aumentar muito o número de mortos (em Brumadinho). Vou receber agora um telefonema do senhor Benjamin Netanyahu, ele estava oferecendo ajuda com base em tecnologia para buscar os desaparecidos".

Segundo Zema e o coronel Estevo, comandante do Corpo de Bombeiros de Minas Gerais, Bolsonaro disse para eles que disponibilizará equipamentos obtidos em parceria com Israel nas buscas pelas vítimas, com tecnologia capaz de localizar pessoas que estejam enterradas.

"É muito difícil localizar um corpo a 5, 10 metros de profundidade. Israel se ofereceu para poder fazer isso", disse o governador.

“Nós estamos aguardando nos próximos dias e fazendo uma análise melhor do terreno para empregar no momento certo outras tropas especializadas. Muito provavelmente vamos precisar de cães farejadores a partir de segunda-feira e faremos o contato tanto com o governo federal quanto com os Corpos de Bombeiros de outros Estados”, afirmou o coronel.

O governador Romeu Zema agradeceu o suporte oferecido. “Eles vieram ver de perto a tragédia em Brumadinho e o governo federal se colocou à disposição naquilo que puder ajudar.

Governador fala em "punição exemplar" para responsáveis pelo acidente

Em coletiva após se reunir com o presidente, Zema afirmou que os responsáveis pelo acidente, que pode ter deixado centenas de mortos, terão uma punição exemplar.

“Quero frisar que os envolvidos nessa tragédia serão punidos exemplarmente. Todas as medidas judiciais já foram tomadas e recursos na casa dos bilhões, bloqueados, de forma que a punição seja a mais rigorosa possível”, destacou Zema. “Aquilo que a lei prevê, será feito”, acrescentou.

O governador disse também que a legislação terá de ser revista para evitar novas tragédias. “Essa barragem que rompeu estava inativa. Há anos que não recebia mais nenhum tipo de material. Então, nós estamos vendo que, aqui em Minas, os mortos estão ressuscitando, o que é muito preocupante. Vai ser necessário rever protocolos, porque não podemos ficar sujeitos que esse tipo de coisa ocorra novamente”, ironizou. 

Por fim, Zema afirmou que tanto os critérios federais quanto os estaduais serão revistos para que isso não aconteça mais. Mas ele garantiu que, apesar disso, a legislação atual já é bem dura. “A legislação ambiental de Minas, assim como a nacional, é uma das mais rigorosas. É prematuro fazer qualquer diagnóstico da tragédia de ontem, mas, a princípio, todos os alvarás e licenças estavam em dia, mas uma mina desativada há quatro anos se rompeu.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.