FABIO MOTTA/ESTADAO - 11/05/2017
FABIO MOTTA/ESTADAO - 11/05/2017

AO VIVO

Acompanhe notícias do coronavírus em tempo real

Bolsonaro sanciona lei que prevê apreensão de arma de agressor de vítima de violência doméstica

Legislação faz mudanças na Lei Maria da Penha para ampliar proteção a mulheres

Da Redação, O Estado de S.Paulo

08 de outubro de 2019 | 20h54

O presidente Jair Bolsonaro sancionou nesta terça-feira, 8, o Projeto de Lei nº 17/2019, que altera a Lei Maria da Penha (Lei 11.340/2006) para aumentar a proteção de mulheres vítimas de violência doméstica.

O projeto alterou dois artigos da lei. Um deles permite que o agressor possa ter seu registro de porte ou posse de arma suspenso caso ele o possua.

De acordo com o texto, assim que o registro da ocorrência de violência contra a mulher for feita, a autoridade policial pode verificar se o agressor possui registro de porte ou posse de arma de fogo. Caso possua, uma notificação deve ser expedida à instituição responsável pela concessão do registro.

Outro ponto alterado da lei passa a permitir que o juiz, após receber o pedido da vítima, possa determinar a apreensão imediata da arma de fogo sob a posse do agressor. 

O presidente também sancionou outro projeto de lei que garante à mulher vítima de violência doméstica a prioridade na matrícula dos seus dependentes em instituição de educação básica mais próxima de seu domicílio.

Outras mudanças

Em meados de setembro, o presidente Jair Bolsonaro havia sancionado outro projeto de lei que também promoveu mudanças na Lei Maria da Penha.

Pela legislação, mulheres vítimas de violência doméstica e familiar deverão ser indenizadas por tratamentos médicos realizados em decorrência de agressões, seja por ação direta ou omissão dos acusados. 

Como principal novidade, a nova lei passou a autorizar de maneira expressa a possibilidade do Estado cobrar ressarcimento do agressor a serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). No caso das mulheres, já era prevista a cobrança de acordo com a interpretação dos juízes, mas a previsão na legislação, na visão de técnicos do Palácio do Planalto. /COM AGÊNCIA BRASIL

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.