Isac Nobrega/Presidency Brazil/Handout via Reuters
Isac Nobrega/Presidency Brazil/Handout via Reuters

Bolsonaro sobrevoa área afetada por rompimento de barragem em Brumadinho neste sábado

Agenda oficial do presidente consta chegada ao Aeroporto Internacional de Confins, na Grande BH, às 9h30; Bolsonaro seguirá direto para Brumadinho e deverá retornar para Brasília ao meio-dia

Paulo Roberto Netto, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2019 | 04h34

SÃO PAULO - O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobrevoará na manhã deste sábado, 26, a região atingida pelo rompimento da barragem 1 da mina Córrego do Feijão, da Vale, em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte. A informação foi divulgada no início da tarde pelo porta-voz da Presidência, general Otávio Rêgo Barros, e consta na agenda oficial do Planalto.

Bolsonaro deixará a Base Aérea de Brasília às 8h30 com destino ao Aeroporto Internacional de Confins, na Grande BH. A chegada à capital mineira está prevista para às 9h30. Em seguida, o presidente seguirá para Brumadinho, onde deverá sobrevoar a região afetada. Não há informações se Bolsonaro irá aterrissar na cidade. Às 10h40, ele deverá participar de uma reunião em Belo Horizonte e retornará para Brasília às 12h10.

O rompimento da barragem em Brumadinho deixou pelo menos sete mortos e 150 desaparecidos, segundo balanço mais recente divulgado pelo governo de Minas Gerais a partir de dados entregues pela Vale. A onda de rejeitos atingiu o centro administrativo da Vale e o terminal de carregamento da mineradora. Ao todo, 427 pessoas estavam no local no momento do desastre - 279 foram resgatadas. Nove pessoas foram salvas da lama e cerca de 100 pessoas ilhadas foram localizadas e resgatadas.

Residências da Vila Ferteco, na zona rural de Brumadinho, também foram tomadas pela lama. Moradores relataram ao Estado os estragos provocados pelo rompimento da barragem e a busca por amigos e parentes desaparecidos.

Em Brasília, o governo federal montou um gabinete de crise no Planalto na sexta, 25, logo após as atualizações do desastre que atingiu Brumadinho. O órgão vai coordenar a atuação dos ministérios envolvidos na busca de soluções para o rompimento da barragem e procurar medidas de redução de danos. 

No fim da tarde de sexta, Bolsonaro concedeu entrevista à rádio Regional de Brumadinho e disse "lamentar profundamente" o ocorrido.

"Acionamos o gabinete chamado de crise em Brasília, ficaremos antenados aí 24 horas por dia para prestar informações à população, para colher informações também, de modo que possamos minimizar mais essa tragédia depois de Mariana, que a gente esperava que não tivesse uma outra, até por uma questão de servir de alerta aquela", declarou Bolsonaro na entrevista.

O presidente também justificou que o ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, "sequer teve ainda como montar uma boa administração que vai particularizar a questão" da fiscalização de estruturas de armazenamento de resíduos de mineração. "Não quero começar a culpar os outros pelo que está acontecendo, mas algo está sendo feito errado ao longo dos tempos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.