Bomba destrói carro da polícia em SP

Um atentado a bomba destruiu nesta segunda-feira uma picape do Grupo de Operações Especiais (GOE) da Polícia Civil.A ação pode ter sido uma tentativa de resgate de presos na Cadeia Pública 2, em Pinheiros, na zona oeste de São Paulo. Um investigador ficou ferido quando tentava apagar o fogo que consumiu o veículo. Os autores do delito conseguiram escapar.A ação dos bandidos ocorreu às 3 horas. Quatro homens em duas motocicletas pararam no pátio do estacionamento da cadeia pública.O homem que estava na garupa da primeira moto desceu e atirou uma bomba semelhante a um coquetel molotov embaixo da picape Silverado do GOE. Não havia nenhum policial no veículo. Os dois da outra motocicleta ficaram dando cobertura.Quando os policiais ouviram a explosão, tentaram sair da cadeia para o pátio, mas foram recebidos a bala pelos bandidos, começando um breve tiroteio.Houve uma segunda explosão, e os motoqueiros fugiram em seguida, em alta velocidade, pela Marginal do Pinheiros. "Acreditamos que a intenção fosse resgatar algum preso", disse o delegado Gerson Carvalho, diretor do Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap).Para ele, o plano dos criminosos era atrair os policiais com o fogo no carro para que fossem dominados. Há quatro meses o GOE está fazendo a segurança das muralhas das quatro cadeias públicas de Pinheiros desde que mais de cem presos fugiram de uma delas. A partir de então, segundo Carvalho, não houve mais fugas no complexo.Após a escapada dos autores do atentado, o investigador Rogério Cosi foi tentar apagar o fogo no veículo e acabou tendo os olhos afetados pela fumaça.Ele foi levado ao Pronto-Socorro da Lapa e, depois, ao Hospital das Clínicas. Os médicos fizeram-lhe uma bandagem nos olhos e dispensaram-no após constatarem que sua visão não havia sido comprometida.O Corpo de Bombeiros foi chamado e apagou o fogo. Os peritos do Instituto de Criminalística examinaram o veículo para tentar determinar que tipo exato de explosivo foi usado pelos criminosos.Essa foi a segunda bomba atirada contra policiais desde sábado. Na madrugada daquele dia, um artefato que teria sido preparado com dois quilos de dinamite explodiu ao lado da cabine do Comando de Policiamento de Trânsito (CPTran) na Marginal do Tietê, ao lado da Ponte do Piqueri. Não houve vítimas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.