Bomba em trem deixa 11 feridos; CPTM suspeita de ambulantes

Uma bomba explodiu dentro de um vagão de uma composição da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) na estação Brás, no centro de São Paulo, deixando onze pessoas com ferimentos leves. De acordo com a empresa, o incidente aconteceu, por volta das 10h45, num trem do Expresso Leste da linha E (Brás/Guaianases). O artefato, considerado de baixo poder de destruição, estava dentro de uma caixa de chocolate e explodiu sob um banco do primeiro vagão do trem que estava parado na plataforma da Estação Brás e se preparava para seguir viagem para Guaianases. Segundo agentes de segurança, a bomba parecia ser feita com um tubo de PVC, pólvora, pregos, porcas e bolinhas de gude. A perícia deve ser concluída em até 30 dias. O artefato destruiu parte do banco e o piso onde foi colocada.Ainda de acordo com a CPTM, três feridos foram levados para o Pronto Socorro do Tatuapé, outros quatro para o Hospital João XXIII, três para a Santa Casa e um para o pronto-socorro do Ipiranga. Todos tiveram ferimentos leves, sendo que o caso mais complicado é o de uma mulher de 43 anos, que teve ferimentos nas pernas e no abdome e foi levada para o Tatuapé. Contudo, até o fim da tarde, todos já haviam recebido alta médica. A composição onde houve a explosão foi recolhida para o pátio de manobras por volta das 11 horas e será vistoriada pela perícia da Polícia Civil. Apesar do incidente, a companhia informa que o tráfego ferroviário não chegou a ser interrompido e funciona normalmente neste momento. O caso será registrado no 8.ºDP. Até segunda-feira, a companhia pretende analisar as imagens das câmeras de segurança para buscar pistas sobre os responsáveis. As primeiras imagens cedidas à polícia não ajudaram. Segundo Leme, foi impossível identificar suspeitos porque as câmeras estavam muito longe do primeiro vagão, no qual houve a explosão. A CPTM suspeita que o ataque seja resultado da ação de algum ambulante. No último mês, foram feitas muitas operações de apreensão de mercadorias vendidas nos trens. Além disso, há dois meses, a Prefeitura fez uma série de obras para retirar os camelôs da frente da estação. No mês passado, um ambulante foi preso acusado de colocar, em duas ocasiões, artefatos explosivos na estação da Lapa, mas que não chegaram a explodir.A CPTM tem 349 trens, sendo que mantém 271 em operação. São 1.124 vagões, fazendo 1600 viagens por dia. Trabalham como agentes de segurança 800 trabalhadores terceirizados e mais 400 funcionários contratados. No mês passado, duas imitações de bombas foram encontradas nas Estações Lapa e Domingos de Moraes. Em 2000 e 2001, a CPTM apreendeu oito bombas caseiras em trens.Atualizado às 21h00

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.