Bomba encontrada em sindicato de Taubaté

Uma bomba de fabricação caseira foi localizada nesta manhã no portão da sede do Sindicato dos Metalúrgicos de Taubaté, a 130 quilômetros da capital paulista. O artefato, semelhante a uma caixa de tamanho médio, foi encontrado pelo vigia da entidade, que acionou a Polícia Militar.Sem recorrer ao Grupo de Ações Táticas Especiais de São Paulo, policiais destruíram a bomba, que continha pólvora, pedras e estava armada para explodir. Segundo a polícia civil, a bomba era de alto impacto e poderia ter causado danos aos militares mas, no momento da destruição, ninguém ficou ferido. O comandante do 5º Batalhão da PM do Interior, em Taubaté, coronel Lamarque Monteiro disse que "a princípio, este não foi o procedimento correto dos policiais?. Ele acredita que o Gate deveria ter sido acionado.Esta foi a terceira ameaça em menos de 10 dias recebida pela entidade. Segundo o presidente do Sindicato, Antonio Eduardo de Oliveira, no dia 9 de abril, ele recebeu uma carta anônima com ameaças de morte, assinada por integrantes da Farb (Força Armada Revolucionária Brasileira). A carta, enviada por um grupo que já ameaçou vários prefeitos e políticos PT, foi postada na agência dos Correios da Vila Alpina, em São Paulo, no último dia 3. Na sexta-feira, Oliveira recebeu um telefonema em seu celular de um homem que fazia as mesmas ameaças. "Até então eu não estava com medo, mas agora com esta bomba, vou tomar mais cuidado", disse o sindicalista. A ligação, segundo o detetor do celular da vítima, foi feita da região de São Paulo. O presidente do Sindicato acredita que seja alguém que esteja incomodado com sua atuação à frente da entidade. "Deve ser alguém que não tem idéias, nem diálogo e quer desestabilizar nosso trabalho". O material foi encaminhado à perícia técnica da polícia civil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.