Bomba explode em fórum de Osasco

Uma granada arremessada por um motoqueiro explodiu hoje pela manhã no Fórum de Osasco e deixou uma pessoa com ferimentos leves. Por volta das 10 horas, o investigador Sidney Antonio Teixeira, de 36 anos, do 1º DP de Osasco, passva pela Avenida das Flores, quando percebeu quatro homens em duas motocicletas com as placas erguidas. Eles haviam passado poucos metros do Fórum e faziam um retorno quando o policial começou a aproximar-se deles. Teixeira viu quando um dos garupas arremessou um objeto contra o prédio do Fórum. Em seguida, as motos dispararam pela avenida, e ele começou a persegui-los. Ouviu o estrondo da explosão e continuou a perseguição até que as duas motos se separaram na Avenida Sport Clube Corinthians. Uma delas seguiu pela Avenida Nova Granada e a outra pela Rua Vitória Régia. O investigador decidiu perseguir esses últimos e antes de perdê-los de vista, viu quando arremessaram os capacetes ao chão, depois de o carona ter disparado três tiros contra seu carro.No Fórum, o clima era tenso, mas as audìências não foram suspensas. O escrevente Joaquim Luiz Soares Franco, de 50 anos, teve, segundo colegas, cortes leves e não corria risco. Ao lado do edifício, a polícia localizou uma faixa com ameaças assinada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC). "Cansamos de ser oprimidos", anunciava a faixa. O diretor do Fórum, o juiz Manoel Barbosa de Oliveira, estava em seu gabinete quando ouve a explosão. De acordo com ele, não houve nenhuma ameaça ou qualquer aviso de qua algo daquela natureza pudesse ocorrer. "Agora vou aguardar a determinação da presidência do tribunal?.De acordo com ele, depois dos recentes atentados contra fóruns do Estado, a segurança do prédio foi reforçada pela Polícia Militar e da Guarda Civil de Osasco. A granada, que seria uma MK2, de fabricação chinesa, explodiu junto a uma parede sob as janelas onde fica o cartório do 3º Ofício Cível, e seus estilhaços não chegaram a ferir ninguém. De acordo com o delegado-assistente do 1º DP, Pedro Luiz Schmitt Jordão, não é possível ainda saber se a faixa foi deixada ao lado do fórum pelos motoqueiros ou por outras pessoas. Teixeira não chegou a ver os motoqueiros lançando outra coisa além da granada. O escrevente Luiz Firmino, que trabalha no 1º andar do Fórum, lembra que pouco antes das 10 horas, ouviu um grande estrondo e sentiu as paredes tremerem. A principio, ele e os outros funcionários imaginaram que se tratava de alguma explosão na rede elétrica, um transformador talvez. Mas logo perceberam que se tratava de uma explosão. "Na hora não dava para saber, notamos apenas quando subiu o cheiro do explosivo".Os capacetes apreendidos e a faixa serão encaminhados pelo 1º DP ao Instituto de Criminalística para análises.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.