Bombas caseiras explodem perto do Aquário de Santos

Duas bombas de fabricação caseira explodiram ontem em lixeiras colocadas na praia, nas proximidades do Aquário Municipal de Santos, que foi reaberto hoje, e é um dos principais atrativos turísticos da cidade e um dos parques mais visitados do Estado. Ninguém ficou ferido e a hipótese mais provável é vandalismo. A polícia investiga se há conotação política, pois o governador Geraldo Alckmin esteve no aquário duas horas antes da explosão.ReformaO espaço de exposição foi triplicado com o novo prédio construído em anexo, com a exposição de mais de 4 mil animais de 200 espécies. As novas instalações contemplam as pesquisas científicas e o socorro aos animais marinhos que são salvos na costa paulista. "O aquário ficou pequeno e não mais atendia as normas do Ibama", comentou o prefeito João Paulo Tavares Papa (PMDB), que reabre hoje as instalações para a visitação pública. Um novo prédio foi construído, mas o antigo foi mantido, uma vez que faz parte do patrimônio histórico da cidade. "Com isso, o espaço foi consideravelmente ampliado, com mais conforto para os visitantes e tanques maiores e melhor instalados", disse Papa. As obras foram iniciadas em fevereiro do ano passado e o Aquário estava fechado desde agosto. Além da ampliação dos mil metros antigos para os atuais 3,45 mil, o equipamento foi modernizado e climatizado. Na parte visível para o público, que dobrou com a intervenção, há peixes de água doce e salgada de várias espécies, tartarugas, pingüins e a maior atração é o lobo-marinho Macaezinho, que está num tanque novo e vai ganhar nos próximos dias duas companheiras. Uma das novidades é o tanque amazônico, que exibirá as espécies daquela região. O solário dos pingüins, com ambiente inspirado na Patagônia, terá passarelas para o público. Tubarões arraias, mero e outros peixes do fundo do mar estarão expostos num tanque de 100 metros quadrados. O espaço dos lobos-marinhos é cercado de arquibancadas. O visitante poderá ainda tocar nas estrelas do mar, ouriços e outras espécies marinhas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.