Bombas para ataque a delegacia são apreendidas no Rio

Artefatos estavam em um automóvel e houve tiroteio; agentes do Esquadrão Anti-Bombas recolheram o material

Roberta Pennafort, de O Estado de S. Paulo,

21 de junho de 2008 | 12h35

Três bombas de fabricação caseira que, segundo a polícia, seriam lançadas contra a 36ª Delegacia Policial (Santa Cruz) foram apreendidas na madrugada deste sábado, 21, na favela de Antares, que fica perto da unidade, na zona oeste do Rio. Policiais militares encontraram os artefatos dentro de um automóvel dirigido por bandidos. Houve perseguição e tiroteio e os criminosos fugiram a pé, deixando o veículo para trás.  O confronto se deu por volta das 3 horas. O delegado Agnaldo Ribeiro, titular da 36ª DP, contou que a polícia acredita que as bombas seriam usadas em um ataque à sua delegacia porque em uma delas estava escrito o número da unidade. Neste sábado, agentes do Esquadrão Anti-Bombas foram até a delegacia para recolher as bombas. No carro, os PMs encontraram uma metralhadora e duas escopetas, que pertenceriam à quadrilha de traficantes de drogas de Antares. Na fuga, os bandidos se esconderam no interior da favela. O delegado informou que a polícia já havia recebido uma informação pelo Disque-Denúncia dando conta de que bandidos planejavam jogar bombas contra a unidade. Seria uma forma de tentar resgatar um traficante do Antares que foi preso anteontem - Carlos Paulo Pontes, o Bola, capturado por tentativa de homicídio a Pms. No último dia 11, uma bomba de produção caseira foi lançada contra a 35ª DP, em Campo Grande, bairro que fica na mesma região. As portas da unidade foram estilhaçadas e uma fumaça tomou o interior da unidade. A bomba foi jogada por homens que passaram em um carro. Diferentemente do possível ataque à 36ª DP, que estaria sendo tramado por traficantes, o atentado contra a 35ª DP foi atribuído à milícia (grupos de policiais e bombeiros que cobram da população por serviços de segurança, entre outros) que atua na região (a zona oeste é justamente a área do Rio onde as milícias são mais fortes).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.