Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Soldador que escapou de Mariana morreu no desastre de Brumadinho

Eridio Dias, 32 anos, era um dos operários que trabalhavam no desastre de Mariana e escapou da tragédia porque foi almoçar fora do serviço naquele dia

Luan Santos, Especial para o Estado

03 Fevereiro 2019 | 17h02

BRUMADINHO - Uma parada para o almoço salvou a vida do soldador Eridio Dias, de 32 anos, em 2015. Ele era um dos operários que trabalhavam em Mariana. Na época, Dias escapou da lama que desceu da barragem de Fundão e saiu vivo da tragédia, que deixou 19  pessoas mortas. 

O irmão do soldador, Laércio Dias, contou ao Estado que constantemente o soldador relatava, com muita emoção, como escapou ileso do rompimento em Mariana. "Ele contava que saiu pra almoçar fora do local de serviço naquele dia e, quando voltou, a lama tinha tomado conta da parte baixa da mineradora, bem onde ele trabalhava".

Três anos depois a sorte não foi a mesma. Dias é uma das 226 pessoas desaparecidas na tragédia em Brumadinho. "Ele estava almoçando no refeitório quando veio aquele monte de lama e levou todo mundo", contou a tia de 49 anos, Luzia Aparecida Felipe.

Muito abalada e sem sinais do sobrinho, dona Luzia diz que não há muitas esperanças de encontrá-lo com vida. "Cheguei a pensar que estava em um mato ou tivesse sido socorrido por alguém, que estivesse em alguma casa da região. Mas a ficha vem caindo com o passar dos dias", contou emocionada.

"Naquela, ele se salvou, mas, nessa, a gente acha muito difícil. Só Deus sabe", disse o irmão que veio acompanhar os trabalhos de busca. Antes de chegar à Brumadinho ele passou pelo Instituto Médico Legal (IML) de Belo Horizonte onde amostras de DNA foram colhidas. "É muita dor, um sofrimento que não tem fim", comentou Laércio.

Dias é funcionário de uma empresa terceirizada da Vale e sempre viaja para outras áreas de mineração. Não tinha base fixa, segundo a família. O rapaz tem uma filha de 7 anos e estava há cerca de 6 meses prestando serviços em Brumadinho. "A menina pergunta todos os dias pelo pai. Já não sabemos mais o que dizer", comentou o irmão do deseparecido.

Revoltada, a tia faz um apelo. "Tem que acabar com essas barragens. Esta é a segunda vez que o meu sobrinho passa por isso. Segunda vez que inocentes morrem por trabalharem em áreas onde não há condições e nenhuma segurança". 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.