Douglas Magno/AFP
Douglas Magno/AFP

Bombeiros ampliam pontos de buscas por vítimas de desastre em Brumadinho

Trabalho das equipes de resgate deve ganhar mais velocidade nas áreas mais próximas à mina, após rompimento de barragem da Vale

Renata Batista, Enviada especial

28 de janeiro de 2019 | 13h17

BRUMADINHO - A busca pelas vítimas do rompimento de uma das barragens da Vale deve ganhar mais velocidade hoje nas áreas mais próximas da mina do Feijão. Neste domingo, 27, os trabalhos de rastreamento do Corpo de Bombeiros por terra e pelo ar localizaram três pontos de procura: o refeitório dos funcionários da mineradora, uma pousada e um ônibus, localizado na noite de domingo, bem próximo à estrada que cortava a cidade e foi destruída pela avalanche de lama. O mapa que está sendo usado pelos bombeiros, porém, mostra um número maior de pontos de busca.

Só na manhã desta segunda-feira, 28, três corpos já foram trazidos para um campo ao lado da igreja da localidade de Córrego do Feijão, vizinha à mina. Uma área foi preparada para receber os corpos, que são recolhidos pelo Instituto Médico Legal (IML) imediatamente quando chegam.

Quatro helicópteros e mais de uma centena de homens dos bombeiros e das Polícia Civil e Militar estão envolvidos na operação. Eles retornam de campo cobertos de lama até a cabeça.

Cerca de 21 pessoas estão envolvidas nas buscas em terra. Por segurança e para agilizar as operações, foram divididos em equipes de três. A operação requer muita força. É como se nadassem na lama que, nos locais onde estão entrando, ultrapassa a linha da cintura e faz muita pressão, disseram.

Muitos corpos estão sendo encontrados mutilados. Os bombeiros estão usando pás e serras porque em alguns pontos a lama está mais seca e vários corpos estão presos.

Os trabalhos foram retomados às 4h. De acordo com os últimos dados utilizados, a tragédia já soma 60 mortos, 19 deles identificados. Há ainda 292 desaparecidos e 192 pessoas resgatadas. Esses números não consideram o último corpo trazido para a igreja de Córrego do Feijão. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.