Bombeiros continuam as buscas por desaparecidos na cratera

O Corpo de Bombeiros seguiu na manhã deste sábado buscando pelos três desaparecidos no deslizamento de terra no canteiro de obras da Estação Pinheiros, da Linha 4 do metrô. O motorista da van da cooperativa Transcooper, que fazia o trajeto circular Terminal CPTM/Pinheiros (177 Y) e foi engolida pela cratera, Reinaldo Aparecido Leite, de 40 anos, e o cobrador Wercley Adriano da Silva, de 22 anos, estão desaparecidos, além de até seis passageiros. Também está desaparecido motorista da obra, Francisco Sabino Torres. Em entrevista nesta manhã à Agência Estado, o vice-presidente da Transcooper, Paulo Roberto Santos, que se dirigia ao local, disse que não tinha novidades em relação ao assunto. Ele calcula que, além do motorista e do cobrador, estariam na van cerca de cinco ou seis passageiros, número de pessoas com o qual o coletivo costuma iniciar seu trajeto, ali nas imediações. Santos, citando avaliações do corpo de bombeiros, disse que a localização está complicada porque as escavações são dificultada por novos deslizamentos.O Secretário de Transporte Metropolitanos, José Luiz Portella, disse nesta manhã que o guindaste, de 50 toneladas, que se encontra na beirada do buraco e corre o risco de tombar, permaneceu estável durante esta noite. Portella disse também que as equipes de bombeiros irão prender o guindaste com cabos de ferros para então iniciar o desmonte do equipamento, mas não deu previsão do horário de início da operação. A pista expressa e a pista local da Marginal Pinheiros, sentido Castelo Branco, permanecem interditadas neste sábado e, segundo a Companhia de Engenharia e Tráfego (CET), não há previsão sobre quando serão liberadas. Por volta das 9h30, o site da CET informava que o congestionamento nos arredores do acidente chegava a 5 quilômetros. No trecho da Av. Eusébio Matoso até a Rua Quintana, havia 3,4 quilômetros de lentidão. Na Av. Dos Bandeirantes, entre a Marginal Pinheiros até a Praça Carananduba, o congestionamento era de cerca de 1 quilômetro neste horário.Na madrugada, foram retirados dois carros da cratera e também os quatro caminhões. Durante esta manhã, os bombeiros retiraram terra do local. Um grupo de resgate também tentou acessar o acidente por um dos túneis da obra.O deslizamento ocorreu por volta das 15 horas da sexta-feira, provocando uma cratera de 80 metros de diâmetros e pelo menos 30 de profundidade. Motivo do acidente ainda não foi esclarecido, mas será investigado. Portella descartou a hipótese de explosão acidental.A mulher do motorista Reinaldo, Esilene Gomes, acompanhou as buscas durante toda a noite, e chegou a implorar para que não parassem de procurar por ele. Por volta das 16h15, a irmã do motorista recebeu um pedido de socorro via rádio. "Socorro, socorro, socorro?, repetiu Reinaldo Leite à Marli, silenciando depois. O telefonema ocorreu uma hora após o deslizamento que soterrou a van que Reinaldo dirigia na Rua Capri.No início da noite de sexta, um motorista de caminhão havia sido resgatado com vida. Pelo menos 79 famílias moradoras de ruas próximas ao local foram levadas a hotéis. Permanecerá interrompido o fornecimento de serviços de água, luz, água e telefone nas proximidades do acidente.Este texto foi ampliado às 11h25.Com Denise Abarca e Reuters

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.