Bombeiros controlam incêndios em parques nacionais no Rio e Goiás

No Rio, 27 brigadistas se perderam em uma trilha de combate ao fogo e foram encontrados 10h depois; em GO, cerca de 60% da área do Parque Nacional das Emas foi destruída

Marília Lopes, estadão.com.br

16 de agosto de 2010 | 15h33

Foi controlado na manhã desta segunda-feira, 16, o incêndio que atingia o Parque Nacional do Itatiaia, no Rio de Janeiro. Uma equipe formada por cerca de 170 pessoas, entre brigadistas do parque e Corpo de Bombeiros, participou da operação de combate ao fogo, que teve início na sexta-feira.

Segundo o tenente-coronel Ernani da Mota Leal, o incêndio teria começado no município de Itamonte, em Minas Gerais. O fogo possivelmente teve início nas queimadas realizadas por lavradores da região para renovar o solo, de acordo com o coronel.

No início desta tarde, Leal sobrevoou a área e afirmou que as chamas estavam totalmente controladas. Apesar de algumas áreas de baixa visibilidade, por conta das nuvens, ele disse que não há mais focos de incêndio, apenas fumaça. Os bombeiros da região de Mauá (RJ) estão em alerta e têm monitorado a área para evitar novos incêndios.

As chamas no Parque Nacional do Itatiaia foram combatidas durante todo o fim de semana. Ontem, um grupo de 27 brigadistas se perdeu em uma das trilhas de combate ao fogo. Uma equipe dos bombeiros foi designada para resgatá-los. Depois de dez horas de buscas, o grupo foi encontrado. Nenhuma pessoa ficou ferida.

 

Goiás. O incêndio que atingiu o Parque Nacional das Emas (PNE), no extremo sudoeste de Goiás, desde a noite de quinta-feira, 12, foi totalmente controlado na noite de ontem. Uma equipe do Corpo de Bombeiros faz o rescaldo no local. Ninguém ficou ferido.

 

Informações preliminares dos Bombeiros indica que cerca de 60% da área de 132 mil hectares do parque foi destruída. O Parque é administrado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.