Bombeiros do Rio liberam ensaios das escolas no sambódromo

O sucesso quase acaba com os ensaios técnicos das escolas de samba do Grupo Especial, às sextas, sábados e domingos, no sambódromo. Temendo pela segurança das 50 mil pessoas que em média comparecem por noite, o Corpo de Bombeiros chegou a proibir sua realização. Nesta quinta, representantes da Liga das Escolas de Samba (Liesa) e da corporação reuniram e, no fim do dia, o problema foi resolvido. Para evitar superlotação, 150 homens vão orientar o público para ocupar as 13 arquibancadas e o centro médico sob o palco da apoteose e quatro ambulâncias estarão à disposição para atendimentos de emergência. "Nunca foi nossa intenção impedir o ensaio e a diversão do público, ainda mais por ser gratuita", ressaltou o diretor do setor de e diversões públicas do Corpo de Bombeiros, coronel Wanderberg Pereira Dias. "Mas era preciso zelar pela segurança do público, que cresceu demais este ano. O maior problema, que era a concentração do público nas primeiras arquibancadas, foi solucionado e as escolas poderão ensaiar normalmente." Neste fim de semana, serão sete escolas que realizarão ensaios técnicos. Na sexta, a partir de 19 horas, passam Unidos de Vila Isabel e Imperatriz Leopoldinense. Sábado, no mesmo horário, tem Caprichosos de Pilares e Porto da Pedra. No domingo, começa às 17 horas e ensaiam Acadêmicos da Rocinha, Acadêmicos do Grande Rio e Unidos da Tijuca.

Agencia Estado,

09 Fevereiro 2006 | 19h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.