Bombeiros do Rio pedem à Câmara aprovação de anistia criminal

Proposta foi aprovada no Senado na última semana; se deputados passarem, segue para presidente

Agência Brasil ,

29 de junho de 2011 | 14h28

BRASÍLIA - Os 439 bombeiros militares que foram presos no Rio de Janeiro depois de protestos por melhores salários estão na Câmara dos Deputados para pedir a aprovação do projeto que concede anistia criminal. A proposta já foi aprovada na semana passada no Senado e depois de analisada pelos deputados segue para sanção presidencial.

 

O grupo, que ficou detido cerca de uma semana no quartel central da corporação no Rio, foi enquadrado no Código Penal Militar pelo crime de motim e também por crimes administrativos. Na terça-feira, a Assembleia Legislativa do Rio concedeu anistia administrativa aos bombeiros mas, o governador Sérgio Cabral ainda precisa sancionar a matéria.

 

Além de pedir a anistia criminal, os bombeiros têm como reivindicação o aumento do piso salarial. Atualmente recebem cerca de R$ 900 e pedem um piso salarial líquido de R$ 2 mil. "Viemos aqui pedir socorro. Hoje temos o pior salário do país", disse o cabo Baciolo, um dos representantes do grupo.

 

O presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS), disse que pode colocar em votação o projeto de anistia criminal na semana que vem. Antes, porém, é preciso retirar a urgência do projeto que cria o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

 

O deputado Mendonça Prado (DEM-SE), um dos integrantes da Comissão de Segurança que se reuniram com os bombeiros, disse que a expectativa é que o projeto seja aprovado rapidamente. "Todos os brasileiros estão solidários à questão. Entendem que a forma como eles foram punidos extrapolou", comentou.

 

O grupo se reuniu com deputados distritais na Câmara Legislativa. Em seguida, fez caminhada até o Congresso Nacional.

Tudo o que sabemos sobre:
bombeirosrio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.