Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Bombeiros do Rio tentam acordo para enviar reivindicações a Cabral

Prioridade dos militantes é libertação dos 439 presos; guarda-vidas ainda pedem piso de R$ 2 mil

Pedro Dantas, O Estado de S. Paulo

06 de junho de 2011 | 19h36

RIO - Liderado por guarda-vidas, o movimento dos bombeiros segue dividido e sem a principal liderança, após a prisão do cabo Benevenuto Daciolo, no sábado. Nesta segunda-feira, 6, em uma reunião tensa, os representantes de 12 associações de classe dos bombeiros tentaram fechar acordo para uma pauta de reivindicações conjunta com os ativistas das manifestações. No entanto, a prioridade dos militantes é a libertação dos 439 presos.

 

Veja também:

linkDeputados ameaçam trancar pauta no Rio para soltar bombeiros

linkGoverno do Rio afirma que não há mais negociação

linkCabral diz que crianças foram escudo humano

 

Os dirigentes de entidades insistem em uma campanha pela aprovação do Projeto de Emenda Constitucional (PEC) 300, que equipara os vencimentos dos policiais bombeiros de todo o país com os do Distrito Federal. Os representantes de associações dos clubes de soldados, sargentos e oficiais chamam de inexequíveis as propostas dos guarda- vidas, que reivindicam, além da liberdade para os presos, piso salarial de R$ 2 mil e vale transporte.

 

"Queremos conquistas palpáveis e não uma campanha como a da PEC 300", afirma um dos ativistas do movimento, que escapou do cerco da PM no sábado e prefere não revelar o nome. O movimento dos bombeiros foi iniciado há 3 meses por 30 guarda-vidas por equipamentos, como protetor solar e óculos de sol. As reivindicações foram ignoradas pelo Governo do Rio e pelas associações de classe, que, por conta disso, foram impedidas de se manifestar nas assembleias dos grupamentos marítimos.

 

No entanto, os bombeiros de combate ao fogo concordaram com a luta pelo piso de R$ 2 mil e aderiram ao movimento. "As associações foram impedidas pelos líderes do movimento de falar nas assembleias nos grupamentos marítimos e na invasão do quartel general, no último sábado. Achamos que as prisões foram arbitrárias, mas preferimos a luta pela PEC 300", justificou o representante da Associação dos Militares Estaduais, coronel reformado do Corpo de Bombeiros, José Carlos Dias.

 

Já o presidente da Associação dos Cabos e Soldados do Corpo de Bombeiros do Rio, Nilo Guerreiro, abriu a reunião com os representantes dos guarda-vidas, mas preferiu seguir para uma entrevista à uma emissora de TV. "Íamos ajudar o movimento, mas as associações não foram ouvidas", reclamou.

 

Na reunião desta segunda, os dois representantes dos guarda- vidas escutaram frases dos dirigentes das associações como "neste momento, esqueçam a libertação dos companheiros"; "Vocês não tem experiência em negociações, mas as associações têm"; "Daciolo é um bom rapaz, mas não entende nada de remuneração" ou "Sem as associações, vocês vão continuar acampados na Alerj e os 439 presos."

 

Em resposta, eles revelaram que já fizeram contato com o novo comandante do Corpo de Bombeiro, coronel Sérgio Simões, para abrir um canal de negociação e vão marcar uma data para a entrega de uma pauta de reivindicações. Em seguida, os dirigentes das associações aceitaram submeter aos guarda-vidas um texto com uma pauta de reivindicações única ao governador do Rio, Sérgio Cabral.

Tudo o que sabemos sobre:
bombeirosRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.