Bombeiros e Samu simulam acidente aéreo em São Paulo

A simulação de um acidente aéreo realizado na manhã deste domingo pelo Corpo de Bombeiros e pela Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) aponta que os órgãos não estariam preparados para uma situação de emergência como esta em São Paulo. "Algumas vítimas graves demoraram muito para ser atendidas e isso não pode acontecer", diz Pedro Rozolen, diretor estadual do Samu.Para simular o desastre, uma aeronave de mais de 15 metros e pesando duas toneladas, construída com papel e metal, desabou em cima de uma cidade cenográfica. A equipe fictícia foi formada por 200 bombeiros, 38 ambulâncias e contou também com o helicóptero Águia da Polícia Militar.Explosão resultou em 25 mortos, 82 feridos e um bairro destruído, ficticiamente. O treinamento ocorreu na Barra Funda, zona oeste de São Paulo.De acordo com os organizadores, o objetivo do teste foi preparar os órgãos públicos a agir em situações de emergência. Além dos feridos, a tragédia de ontem contou com outros elementos falsos. No dia 1º de dezembro, bombeiros, Samu e hospitais vão se reunir para produzir um relatório oficial sobre as principais falhas apontadas no simulado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.