Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Bombeiros acham em Mariana corpo de um dos desaparecidos

Esta é a 18ª vítima confirmada da tragédia na barragem da Samarco no distrito de Bento Rodrigues; polícia faz perícia para identificá-la

Leonardo Augusto, Especial para o Estado

09 de março de 2016 | 13h57

BELO HORIZONTE - Os bombeiros localizaram nesta quarta-feira, 9, na área da barragem de Fundão, da empresa Samarco, em Mariana, o corpo de um dos homens desaparecidos no rompimento da represa, que aconteceu em 5 de novembro do ano passado. Segundo a corporação, a vítima estava dentro da cabine de um caminhão-pipa. 

Tratava-se de Aílton Martins dos Santos, de 55 anos, da Integral Engenharia. A Polícia Civil informou na noite desta quarta que o reconhecimento foi feito pela família por meio de sinais como uma cicatriz, o cabelo e roupas. Ele trabalhava na barragem no dia do rompimento e a polícia também usou o prefixo do caminhão que ele dirigia no dia da tragédia. 

A outra vítima que permanece oficialmente desaparecida é Edmirson José Pessoa, de 48 anos, que trabalhava na Samarco. Com a localização do corpo, estão confirmadas 18 mortes na queda da represa, que também destruiu o distrito de Bento Rodrigues, onde viviam cerca de 600 pessoas. Segundo os bombeiros, o cadáver foi localizado após escavações feitas pelas equipes de buscas.

Além das mortes e da destruição do distrito, a lama que vazou da barragem atingiu o Rio Doce e forçou a interrupção do fornecimento de água em cidades de Minas Gerais e do Espírito Santo, onde está sua foz. Praias capixabas foram interditadas por causa dos rejeitos de minério de ferro.

Indiciamento. A cúpula da Samarco, empresa que pertence às mineradoras Vale e BHP Billiton, foi indiciada pela Polícia Civil em inquérito sob a acusação de 19 assassinatos. A Justiça em Mariana pediu a manifestação do Ministério Público Estadual sobre o indiciamento. Ainda não houve resposta.

No dia 1.º, os governos federal, de Minas Gerais e do Espírito Santo fecharam um acordo com a Samarco para recuperação ambiental da região afetada pelo rompimento. Um fundo será criado para gestão de recursos, que deverão ser investidos em medidas de recuperação do Rio Doce, das florestas atingidas e da população afetada. A expectativa é de que, ao longo de dez anos, R$ 20 bilhões sejam destinados ao fundo.

Cavas. Há cerca de duas semanas, a Samarco entrou com pedido na Secretaria de Estado de Meio Ambiente para utilização de duas cavas na região da barragem de Fundão. O objetivo é tentar fazer com que a planta do município volte a operar. 

A unidade está embargada pelo Estado desde a tragédia. Não há prazo para análise do pedido da empresa pela secretaria.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.