Bombeiros encontram corpos de músicos britânicos em Sergipe

Baixista e guitarrista da banda de rock After Death se afogaram em praia de Aracaju, considerada área de risco

Antonio Carlos Garcia, especial para o Estado

22 Janeiro 2010 | 17h57

Uma equipe do Grupamento de Salvamento Marítimo do Corpo de Bombeiros de Sergipe (Gmar) encontrou no início da tarde desta sexta-feira, 22, o corpo do baixista da banda de rock britânica After Death, Timothy Kennelly, 18 anos. Ele e o amigo, o guitarrista Leon Villalba, 21 anos, morreram afogados na quinta-feira, na praia Coroa do Meio, no bairro do mesmo nome, em Aracaju.

 

O corpo de Kennely foi encontrado na praia do Robalo, às 13h30, distante 20 quilômetros do local onde eles tomavam banho de mar. Os corpos dos músicos estão no Instituto Médico Legal (IML), onde aguardam reconhecimento dos familiares.

 

Os demais integrantes da banda, os músicos Ken Do, Barry O'Connor e Marc Vagas prestaram depoimento no Departamento de Homicídios de Proteção à Pessoa (DHPP) e, segundo o delegado Luiz Carlos Vieira está descartada a hipótese de homicídio. "Ao que tudo indica, foi mesmo uma infelicidade. A princípio, parece ter sido mesmo um afogamento" afirmou o delegado. O consulado britânico no Brasil informou que os familiares das vítimas já haviam sido contatados sobre o ocorrido.

 

Desde o início da manhã de ontem, que veículos do Gmar percorreram as praias do litoral sul de Aracaju em busca do corpo de Timothy Kennelly e até o helicóptero da Polícia Militar foi utilizado. Os músicos da After Death estavam acompanhando a banda norte-americana Masters of Hate, que estava em turnê pelo Brasil. Os integrantes da After Death não quiseram falar com a imprensa.

 

A área em que os dois ingleses se afogaram, em frente à Orla de Atalaia, é considerada de risco e a sinalização é precária. A região em que ocorreram os afogamentos é considerada a quarta praia mais perigosa do país em uma pesquisa dos Corpos de Bombeiros, realizada em 2009.

Mais conteúdo sobre:
Sergipe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.