Bombeiros escoram prédio que ameaça desabar no Rio

A Defesa Civil decidiu escorar o prédio ao lado do edifício que desabou ontem à tarde, no centro do Rio, após uma reunião de quatro horas com representantes da Prefeitura e do Corpo de Bombeiros. Estacas de madeira serão usadas para amparar a construção, que corre o risco de desabar pois teve sua estrutura abalada pelo acidente com o prédio que abrigava o Hotel do Rosário, na esquina da Rua Primeiro de Março com a Rua do Rosário. O trabalho só deverá ser finalizado amanhã, quando as buscas por vítimas e a retirada dos entulhos serão retomadas.Técnicos da Defesa Civil tomaram a decisão após algumas horas de investigação no interior do prédio 57, vizinho ao que desabou. A Defesa Civil levantou a possibilidade de demolir o edifício, uma vez que o prédio já oscilou seis centímetros desde ontem. Por conta deste risco, os trabalhos de busca foram suspensos no começo da madrugada. O Corpo de Bombeiros e a Defesa Civil consideram remota a possibilidade de encontrar pessoas soterradas nos escombros.Um casal que estava hospedado no hotel, segundo o porteiro do prédio, não conseguiu sair a tempo e deve estar sob os escombros. No desmoronamento, três pedestres ficaram levemente feridos. Eles foram atendidos no Hospital Souza Aguiar, no centro da cidade. Cerca de dez minutos antes do acidente a estrutura do edifício estalou, o que alertou os ocupantes e aqueles que estavam na rua.Segundo laudo da prefeitura do Rio, divulgado no início da noite de ontem, as obras que estava sendo feita no térreo do edifício causaram o desabamento do prédio. Segundo o documento, houve imperícia técnica na execução da reforma no restaurante que funcionava no local. Um mezanino teria sido demolido indevidamente, abalando a estrutura do edifício.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.