Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Bombeiros evacuam cerca de 200 pessoas que moram perto de barragem em Nova Lima

Medida é considerada preventiva; volume de rejeitos é de três milhões de metros cúbicos

Leonardo Augusto, Especial para O Estado

16 de fevereiro de 2019 | 20h26
Atualizado 17 de fevereiro de 2019 | 14h21

BELO HORIZONTE - O Corpo de Bombeiros de Minas Gerais informou na noite deste sábado, 17, que irá evacuar uma área de risco da barragem B3/B4 da Mina de Mar Azul, da Vale, no município de Nova Lima (MG). Entre 170 e 200 pessoas terão que ser retiradas do local, que abrange cerca de 49 edificações, entre residências e estabelecimentos comerciais.

De acordo com a corporação, 97 pessoas saíram com apoio dos bombeiros e, outras, foram para casa de parentes. O acesso à área foi isolado.

Procurada, a Vale informou que acionou na noite deste sábado o nível 2 do Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM) para a barragem B3/B4 da mina Mar Azul, em Nova Lima (MG). De acordo com a empresa, a medida foi tomada “por segurança”.

“A decisão é uma medida preventiva e se dá após a revisão dos dados dos relatórios de análise de empresas especializadas contratadas para assessorar a Vale. Cabe ressaltar que a estrutura está inativa e essa iniciativa tem caráter preventivo”, frisou a mineradora em nota enviada por sua assessoria de imprensa.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a auditoria se negou a atestar segurança da estrutura, o que motivou a evacuação preventiva. B3/B4 têm  cerca de 3 milhões de metros cúbicos de rejeito em alteamento a montante. Ou seja, foi construída com o mesmo tipo de estrutura da Barragem I da Mina de Córrego do Feijão, que rompeu no fim de janeiro, em uma tragédia que caminha para ter mais de 300 mortos.

Corpo de Bombeiros Militar, Defesa Civil e Polícia Militar foram acionados e estão com equipes no local. “A barragem está no nível 1, mas será modificada para nível 2 dentro de alguns minutos, seguindo o protocolo uma vez que a auditoria não atestou a segurança. A sirene será acionada dentro de alguns minutos”, informou assessoria do Corpo de Bombeiros por volta das 20h16.

“O trabalho está sendo conduzido pela Vale com apoio da Defesa Civil e demais órgãos competentes. As pessoas evacuadas estão sendo acolhidas e registradas no centro comunitário, onde receberão informações adicionais. Posteriormente, elas serão acomodadas em hotéis da região. A Vale dará toda a assistência e apoio necessários até que a situação seja normalizada”, declarou a empresa.

O Corpo de Bombeiros informou, neste domingo, 17, que não há prazo para mudança do nível de alerta no local e que, entre as ações em andamento, está uma vistoria da Agência Nacional de Mineração (ANM) na barragem. Equipes da corporação permanecem no local e monitoram a situação.

Moradores de duas outras cidades de Minas já tinham deixado suas casas devido ao risco de rompimento das barragens da Vale, em Barão de Cocais, e da ArcelorMittal, em Itatiaiuçu.

Após a tragédia em Brumadinho, a Vale prometeu acabar com todas as barragens a montante.

Leia abaixo a íntegra da nota da Vale:

A Vale informa que acionou na noite deste sábado (16/2) o nível 2 do Plano de Ação de Emergência de Barragens de Mineração (PAEBM) para a barragem B3/B4 da mina Mar Azul, em Nova Lima (MG). A decisão é uma medida preventiva e se dá após a revisão dos dados dos relatórios de análise de empresas especializadas contratadas para assessorar a Vale. Cabe ressaltar que a estrutura está inativa e essa iniciativa tem caráter preventivo.

Por segurança, a Vale está fazendo a evacuação de cerca de 200 pessoas em área que abrange 49 edificações, entre domicílios e estruturas de uso comercial na região de Macacos, a 25 quilômetros de Belo Horizonte. O trabalho está sendo conduzido pela Vale com apoio da Defesa Civil e demais órgãos competentes.

As pessoas evacuadas estão sendo acolhidas e registradas no centro comunitário, onde receberão informações adicionais. Posteriormente, elas serão acomodadas em hotéis da região.

A Vale dará toda a assistência e apoio necessários até que a situação seja normalizada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.