Bombeiros recomendam fechamento da Feira da Madrugada por falta de segurança

No tradicional ponto de comércio popular no Brás, faltam extintores, sinalização e saída de emergência

Rodrigo Burgarelli ,

11 Maio 2013 | 19h48

Após uma vistoria feita ontem à tarde na Feira da Madrugada, tradicional ponto de comércio popular no Brás, o Corpo de Bombeiros recomendou o fechamento do local para obras emergenciais de segurança. Em entrevista à Rede Globo, o capitão Marcos Palumbo disse que faltam hidrantes, extintores e mangueiras. O oficial também notou que não há sinalização adequada para que o local seja evacuado em caso de incêndio e que as saídas de emergência estão bloqueadas por lojas e paredes.

A vistoria foi feita a pedido da 24.ª Vara Federal, que, na noite de sexta-feira, havia negado novo pedido feito pela Prefeitura de São Paulo para fechar a feira para a reforma. Segundo o juizx Victorio Giuzio Neto, as reformas prioritárias poderiam ser feitas com o comércio aberto. A manutenção da decisão dependia do laudo de vistoria feito pelos bombeiros ontem à tarde. 

A Prefeitura tenta fechar a Feira da Madrugada desde o dia 30 de abril, quando publicou no Diário Oficial da Cidade uma portaria determinando a saída dos comerciantes para que obras mínimas de segurança pudessem ser feitas. Mas, no dia 7 de maio, às vésperas do fechamento, o magistrado concedeu liminar pedida por um dos vendedores para que a feira pudesse se manter aberta durante reforma emergencial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.