Bombeiros retomam buscas às vítimas na cratera do Metrô

As equipes do Corpo de Bombeiros retomaram, por volta das 9 horas desta quarta-feira, as buscas às vítimas do desmoronamento das obras da Linha 4-Amarela do Metrô. A operação havia sido interrompida depois da retirada do corpo do motorista Francisco Sabino Torres, de 47 anos, do Consórcio Via Amarela, responsável pela obra.O capitão do Corpo de Bombeiros Mauro Lopes informou que a previsão é de que a van que está na cratera aberta seja retirada ainda nesta quarta-feira. Com a retirada da van, três corpos seriam localizados, segundo Lopes. Segundo informações dos bombeiros, a van está comprimida na parte traseira por grande massa de terra e de rochas, o que dificulta a retira do veículo. Lopes afirmou que após a retirada da van, os bombeiros devem fazer uma nova varredura com cães farejadores para identificar se há ou não mais vítimas no local. Segundo ele, 19 bombeiros trabalham nas buscas de seis pessoas, sendo que três já foram resgatadas e outras três ainda estariam soterradas. Porém, um office-boy identificado como Cícero Augustino da Silva, também está desaparecido e pode estar entre as vítimas do acidente.O capitão afirmou que ainda não é possível visualizar o corpo das vítimas dentro da van porque o veículo está comprimido lateralmente por rochas. A intenção, segundo ele, é que a terra envolta da van seja retirada com pás e que com a retirada não haja pressão suficiente para que haja novos desabamentos. Com isso, o veículo seria removido para um local seguro dentro do túnel. ResgateO corpo do motorista foi o terceiro a ser retirado do local do acidente, que aconteceu na tarde de sexta-feira. Na noite da terça-feira, o corpo da advogada Valéria Alves Marmite, 37 anos, a segunda vítima identificada do acidente ocorrido nas obras do Metrô, foi retirado de dentro do microônibus soterrado.Mãe de três filhos, Valéria trabalhava na região de Pinheiros e não dava notícias desde a tarde de sexta-feira, quando ocorreu o acidente. O corpo da advogada foi encontrado na tarde de segunda-feira dentro do microônibus, mas devido ao risco de novos desabamentos, os bombeiros tiveram dificuldades para retirá-lo antes.Na madrugada de segunda-feira, 15, as equipes de resgate encontraram o corpo da aposentada Abigail Rossi de Azevedo, 75 anos, depois de quase 70 horas do deslizamento, que aconteceu na tarde de sexta-feira.Continuam desaparecidos o cobrador do microônibus soterrado Wescley Adriano da Silva, de 22 anos, o motorista Reinaldo Leite, de 40 anos, o agente de controle ambiental Marcio Alambert, de 39 anos, e supostos passageiros da van.VistoriasNesta quarta-feira também prosseguem as vistorias nas residências próximas ao desabamento. Segundo a Defesa Civil, equipes de engenheiros da subprefeitura de Pinheiros, em conjunto com a Defesa Civil, e na presença dos proprietários, começariam a vistoriar as casas a partir das 9 horas. Há a possibilidade de que algumas casas sejam liberadas aos moradores, de acordo com reportagem da Rádio Eldorado.SolidariedadeUm ato ecumênico foi marcado para as 10 horas no local das obras da futura Estação Pinheiros. O ato seria celebrado por Dom Pedro Luiz Stringuini em homenagem às vítimas do soterramento das obras. Em solidariedade às vítimas, a escola de samba Tom Maior, que desfila no Grupo Especial do Carnaval de São Paulo, informou que não fará os desfiles pelas ruas do bairro de Pinheiros, segundo informações do jornal Bom Dia SP, da TV Globo. A agremiação, que é do bairro, disse que a medida foi tomada em respeito às vítimas.Esta matéria foi alterada às 11h31 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.