Bombeiros retomam buscas por vítimas na cratera do Metrô

O Coronel do Corpo de Bombeiros Antônio dos Santos e o consultor do Consórcio Via Amarela Márcio Pellegrino informaram por volta das 10h55 desta terça-feira que as buscas pelas vítimas do desabamento na futura Estação Pinheiros da Linha 4-Amarela do Metrô foram retomadas. De acordo com Pellegrino, foram feitas inserções de concreto na parte frontal da van e por isso as buscas puderam ser retomadas. Segundo a assessoria de imprensa do Comando do Corpo de Bombeiros, a Defesa Civil e demais responsáveis que estão no local ajudam no trabalho. Os geólogos que analisaram o solo do local confirmaram que a cratera voltou a ficar mais segura. As buscas foram retomadas em duas frentes, uma em direção ao túnel do Metrô sob a Marginal do Pinheiros e outra no túnel que vem da Avenida Faria Lima, local onde está a van.Há indícios de que o corpo do motorista do caminhão que caiu dentro do buraco esteja no túnel da Marginal do Pinheiros. Segundo o coronel do Corpo de Bombeiros, durante a madrugada os cães farejaram o local e apontaram que o corpo do motorista não estaria dentro do caminhão, mas sim mas à frente, apesar de ainda não ser possível precisar a quantos metros. O risco de desabamento levou as equipes a jatear concreto nas beiradas da cratera com o intuito de estabilizar o solo. Durante a madrugada desta terça-feira as buscas foram suspensas pelo risco de novos desabamentos, gerando apreensão e nervosismo entre os parentes das vítimas, que estavam acompanhando as buscas no local. Familiares das vítimas do soterramento das obras da Linha 4-Amarela do Metrô promoveram um tumulto por volta das 9h30 desta terça-feira, segundo reportagem da Rádio Eldorado. A razão seria a falta de informações oficiais por parte dos controladores do resgate.De acordo com a Eldorado, as pessoas que estão no local à espera de notícias de parentes se revoltaram ao pensar que as buscas aos corpos seriam suspensas definitivamente, por acharem que a concretagem que está sendo realizada nas bordas do desmoronamento seria feita também em toda a extensão da cratera.Os familiares foram levados a uma área reservada e estão reunidos com membros da Polícia Militar. Alguns deles tentaram descer ao canteiro de obras, onde até segunda-feira era permitido o acesso dos parentes da vítimas, mas foram impedidos.Esta matéria foi atualizada às 11h24 para acréscimo de informações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.