Fabio Motta/AE
Fabio Motta/AE

Bombeiros são saudados como heróis e ganham força para negociar

Os mais de 400 bombeiros detidos foram aplaudidos por moradores de Niterói e avaliam que o episódio deu força para negociação

Bruno Boghossian, Agência Estado

11 de junho de 2011 | 13h13

Livres depois de uma semana de prisão, os mais de 400 bombeiros detidos durante uma manifestação por melhores salários desfilaram como heróis pelas ruas da região metropolitana Rio de Janeiro hoje. Depois de deixarem o quartel de Charitas, em Niterói, eles foram aplaudidos por moradores da cidade e ouviram as buzinas dos motoristas que passavam pela região.

Líderes do movimento avaliam que o episódio deu força ao grupo para as negociações com o governo do Estado. Eles ainda esperam reunir milhares de militares e simpatizantes em uma passeata marcada para as 10h de amanhã na orla de Copacabana, na zona sul do Rio.

Quase todo o grupo que havia sido detido na semana passada foi solto nesta manhã. Problemas em documentos enviados pela corregedoria do Corpo de Bombeiros impediram a libertação de 14 homens, que continuavam presos até o fim da manhã. Os militares embarcaram em oito ônibus fretados e seguiram de barca para a capital fluminense, onde farão uma manifestação diante da Assembleia Legislativa.

"Apesar da prisão, agora estamos em uma posição melhor para negociar com o governo, porque temos a certeza de que a população está do nosso lado", disse o capitão Lauro Botto, um dos homens à frente do movimento, que pede a elevação do piso salarial de R$ 950 para R$ 2 mil.

O grupo pretende voltar ao trabalho na segunda-feira, mas alerta que só volta a discutir reajustes depois que todos os militares punidos forem anistiados nas esferas criminal e administrativa. "Nunca estivemos tão próximos do sucesso, mas vamos interromper as manifestações e negociações para lutar pela anistia", afirmou o cabo Benevenuto Dacciolo, que também comanda as manifestações.

Um projeto de lei na Câmara Federal pode garantir anistia criminal aos bombeiros, o que extinguiria processos contra eles na Justiça pela ocupação do quartel central, no dia 3. Na Assembleia Legislativa do Rio, uma Proposta de Emenda Constitucional tenta anistiá-los administrativamente, para evitar que sejam punidos ou expulsos da corporação.

Parentes e amigos comemoraram a libertação dos bombeiros durante a manhã, cantando e soltando fogos de artifício nos arredores do quartel de Charitas. Patricia Félix da Silva, de 35 anos, chorou e correu para abraçar o marido, o cabo Marcos Félix. "Só acreditei mesmo na libertação dele quando ele saiu do quartel. Nos casamos há 20 dias e finalmente vamos conseguir sair em lua de mel", disse.

O cabo Alfredo da Silva também não conteve as lágrimas depois de deixar o local em que ficou preso por uma semana. "É uma emoção muito grande estar aqui fora. Nunca podia imaginar que ia ficar preso sem ter feito nada. Agora queremos anistia, porque ninguém aqui fez nada. Mesmo com tudo o que aconteceu, eu amo a minha corporação", declarou.

Tudo o que sabemos sobre:
bombeirosgreveRiolibertaçãoanistia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.