Bornhausen cobra do governo apuração da origem do dinheiro do dossiê

O presidente nacional do PFL, senador Jorge Bornhausen (SC), cobrou do governo e da Polícia Federal "a verdade sobre a origem do dinheiro" apreendido no dia 15 com petistas que se preparavam para comprar dos irmãos Vedoin, chefes da máfia das ambulâncias superfaturadas, um dossiê montado para comprometer candidatos do PSDB com a quadrilha. "Queremos a verdade sobre tudo o que ocorreu nesses últimos 12 dias, que escreveram uma página negra de corrupção do governo. É tempo suficiente para que as investigações chegassem à origem dos dólares e dos reais escusos apreendidos. Não vimos até agora a foto do dinheiro, que foi escondida pela Polícia Federal. Há 12 dias, não temos nenhuma resposta", discursou Bornhausen, da tribuna do Senado.Ele criticou a recente afirmação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de que os petistas envolvidos na montagem do dossiê são "um bando de aloprados": "Quem convive com aloprado, aloprado é", afirmou Bornhausen. Ele acusou Lula de "falta de compromisso com a verdade" e o exortou a participar, depois de amanhã, ao debate na TV Globo entre os candidatos à presidência da República. Questionou a participação do presidente no debate com os demais candidatos na quinta-feira: "Será uma oportunidade para ele dizer de onde saiu o dinheiro. Vai lá, presidente, falar das palmas, dos aloprados, dos seus amigos íntimos." As "palmas" mencionadas por Bornhausen são uma referência à denúncia de que os aplausos a um discurso do presidente nas Nações Unidas, exibidos na propaganda eleitoral gratuita na TV, seriam, na verdade, reação a um pronunciamento do então secretário-geral da ONU, Kofi Anan, e não a Lula.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.