MARCOS ARCOVERDE/ESTADÃO
MARCOS ARCOVERDE/ESTADÃO

Botafogo teme por segurança de torcedores no Engenhão

Vice-presidente do clube disse que policiamento dentro do estádio é metade do que costuma ser em clássicos; PM garante que esquema de segurança não foi afetado

Clarissa Thomé, O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2017 | 18h30

O Botafogo, que enfrenta o Flamengo neste domingo 12, a partir das 19h30 no estádio do Engenhão, pelo Campeonato Carioca, teme pela segurança dos torcedores que estão se deslocando para assistir à partida. O vice-presidente do clube, Luiz Fernando Santos, disse, em entrevista à Rádio Globo, há pouco, que o efetivo de policiais presentes dentro do estádio é metade do que costuma ser numa partida como a de hoje, um clássico de futebol carioca, e também que faltam PMs do lado de fora do Engenhão.

O jogo está mantido, segundo a Federação do Futebol do Estado do Rio (Ferj). A PM afirma que o esquema em torno e dentro do estádio não foi prejudicado pelo movimento de mulheres de PMs, que bloqueia a entrada e saída de policiais e patrulhas de batalhões desde sexta-feira, e que se posicionou hoje em unidades de onde sairia efetivo para o jogo, com o objetivo de reduzi-lo e, assim, chamar a atenção do governo do Estado para suas demandas: o pagamento de salários e benefícios atrasados.

“Não existe policiamento na área externa a não ser da Polícia Civil. O Gepe (Grupamento Especial de Policiamento em Estádios) está dentro do estádio com 150 homens, metade do efetivo normal. O que preocupa muito o Botafogo são as consequências que podem advir da realização de um jogo com 20 mil, 25 mil pessoas, um clássico no campeonato carioca, considerado um jogo de risco elevado para a segurança pública, sem que a gente tenha policial. Não preocupa não haver data para a realização do jogo, se vai impedir o jogo de quarta-feira contra o Guarani. O que preocupa é única e exclusivamente a segurança das pessoas. O Botafogo não pode garantir isso”, afirmou Santos.

O dirigente disse que o melhor seria tomar a decisão sobre cancelamento ou manutenção do jogo imediatamente, pois o número de torcedores ainda é pequeno, uma vez que o horário é só 19h30. “Quanto mais tarde for tomada essa decisão, pior. Pode ser que a PM chegue daqui a pouco. Agora tem pouca gente, você tira as pessoas, avisa que não vai ter jogo. Podemos criar um problema ainda maior”, ele argumentou. O Flamengo informou há pouco que, pelo clube, o jogo será realizado normalmente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.