Braço do crime organizado atua em hospitais, diz ministro

O ministro da Saúde, Humberto Costa, afirmou nesta segunda-feira que há "um braço do crime organizado" por trás do esquema de corrupção no Instituto Nacional de Traumato-Ortopedia (Into), cujo diretor foi ameaçado de morte por revisar e suspender contratos suspeitos de irregularidades.Costa anunciou que vai pedir o reforço da Controladoria-Geral da União e do Tribunal de Contas da União (TCU) para combater o problema nas unidades do ministério no Rio e prometeu reforçar a segurança nesses locais. "Estamos convencidos de que as ameaças são resultado das investigações realizadas. E há evidências de que há um braço do crime organizado atuando aqui", disse o ministro, que viajou ao Rio para prestar solidariedade ao diretor da unidade, Sérgio Côrtes, e à diretora do Hospital do dos Servidores Estaduais (HSE), Ana Lipke, também ameaçada de morte por rever contratos da instituição.Embora tenha afirmado "estar mais tranqüilo" após as medidas anunciadas pelo ministro, Côrtes revelou que continua com medo. Na semana passada, a sala dele no hospital foi invadida duas vezes e, em uma delas, simularam uma cena de enforcamento com um paletó e uma gravata. Côrtes revisou até agora 50 contratos de empresas prestadoras de serviços e cancelou 5, o que possibilitou economia de R$ 2,5 milhões aos cofres públicos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.