Brasil é a palavra mais usada pelo tucano em discurso motivacional

Serra também empregou a expressão 'vamos', com frequência, num momento em que está empatado com Dilma nas pesquisas

José Roberto de Toledo, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2010 | 00h00

Como de hábito nos discursos dos candidatos a presidente, "Brasil" foi a palavra mais citada por José Serra, nada menos do que 34 vezes, além de 19 "brasileiros". Foi durante a formalização de sua candidatura à Presidência, na convenção nacional do PSDB, ontem em Salvador.

Serra fez um discurso motivacional, para a militância, em que ele empregou a expressão "vamos" com enorme frequência (18 vezes). Abusou de palavras que pretendem transmitir confiança, como por exemplo "acredito" (12 vezes). Além de combiná-las como em "vamos juntos à vitória". Esse tom mostrou-se necessário em um momento da campanha no qual sua principal adversária, a petista Dilma Rousseff, empatou com ele nas pesquisas.

Mensagem. Serra associou "governo" (12 vezes) a "maioria" (10), além de citar muitas vezes "democracia" (7 vezes) e "estado" (7).

Tudo isso para tentar mostrar uma diferenciação do que seria um governo do PSDB em comparação ao que é um governo do PT. A mensagem por trás das palavras é que ele seria mais democrático do que a rival.

Em relação aos termos com carga temática de campanha, não houve um destaque especial. Os mais citados foram "família/s" (10 vezes), "social" (6), "dinheiro" (5), "saúde" (5), "educação" (4), "justiça" (4), "oportunidades" (4) . Sem contar as 5 menções às várias "bolsas" (família, educação, escola) que viraram programas assistenciais do governo federal.

Slogan. A palavra "Brasil" foi empregada para formar seu slogan de campanha apenas três vezes: "pode mais" ou "pode muito mais". Mas a mesma ideia foi repetida inúmeras vezes em expressões como "fazer para que o nosso Brasil", ou "por fazer".

O discurso empregou 4.329 palavras, das quais 1.148 foram distintas. Essa taxa de repetição é indicativa de um léxico de uma pessoa que tem nível superior de escolaridade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.