André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Brasil e América Latina discutem formação de rede de combate a crime organizado na fronteira

Objetivo da reunião foi fazer diagnóstico sobre o que ocorre em cada posto e tentar melhorar a cooperação entre as agências dedicadas ao combate ao crime organizado

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 20h37

BRASÍLIA - Brasil e os países da América Latina discutem formar uma rede para combater o crime organizado na fronteira, informou nesta quinta-feira, 21, o ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, no encerramento de uma reunião de diplomatas e adidos de segurança que discutiu o tema. “Foi uma reunião muito positiva, a partir da constatação consolidada que há uma íntima ligação entre a criminalidade que opera no Brasil e nos países vizinhos e, às vezes, até de países mais distantes”, disse ele.

+ Jungmann defende permanência de intervenção no Rio até o fim de 2019

Da reunião participaram representantes de todos os países da América Latina, com exceção da Venezuela. “Ela entrará em breve”, afirmou Aloysio. Ele explicou que a ideia é buscar cooperação, “de modo a termos uma rede entre nós e as forças de nossos vizinhos.”

O objetivo da reunião foi fazer um diagnóstico sobre o que ocorre em cada posto e tentar melhorar a cooperação entre as agências dedicadas ao combate ao crime organizado.

Na reunião, foi elaborado um documento com 13 recomendações, entre elas a de procurar instituições privadas que sofrem os efeitos do crime organizado transnacional e estabelecer parcerias com elas. Outra sugestão foi fomentar projetos trilaterais, que permitam uso dos conhecimentos brasileiros e financiamento de outros países, como Estados Unidos e União Europeia. Também será buscada maior coordenação com embaixadas de outros países nas capitais da América do Sul.

Além disso, deverão ser estabelecidos na fronteira comandos operacionais bipartites e tripartites. O financiamento público a essas ações em outros países deverá constar de uma rubrica específica no Orçamento da União.

Foi recomendado também o aumento dos exercícios conjuntos aéreos na fronteira, a exemplo do que foi feito com a Colômbia. E intensificar o uso de novas tecnologias, como drones e Veículos Aéreos Não Tripulados (VANTs), além de plataformas para o combate ao crime organizado.

A metodologia do Sistema Integrado de Monitoramento da Fronteira (Sisfron) brasileiro será partilhada com outros países no médio e longo prazos. Além disso, o Brasil deverá divulgar mais intensamente o Centro de Cooperação Policial Internacional, do Rio de Janeiro. Criado nos Jogos Olímpicos de 2016, ele permitiu a atuação conjunta de policiais brasileiros e estrangeiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.