Wilson Pedrosa/AE-1/6/2011
Wilson Pedrosa/AE-1/6/2011

Brasil e Colômbia preparam ação antitráfico no AM

Acordo em negociação entre países possibilitará atuação conjunta na fronteira com objetivo de frear a expansão de cartel mexicano

Tânia Monteiro / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

15 de julho de 2011 | 00h00

Assim que os governos brasileiro e colombiano assinarem o acordo especial de vigilância de fronteiras, já encaminhado no mês passado, será desencadeada uma operação conjunta entre os dois países para o combate ao tráfico de drogas, pessoas e armas. Os dois governos querem dificultar a movimentação do cartel mexicano do narcotráfico, que tenta se aproveitar do enfraquecimento das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) para controlar a venda de drogas instalando-se em áreas próximas à fronteira noroeste brasileira.

A previsão é de que operação entre Brasil e Colômbia seja desencadeada a partir do mês que vem, assim que for assinado o acordo que foi costurado durante a visita à Colômbia do ministro da Defesa, Nelson Jobim, no mês passado. A ideia dos dois governos é que, nos 1.644 quilômetros de fronteiras entre os dois países, as suas Forças Armadas acompanhariam a movimentação dos traficantes conjuntamente com seus sistemas de vigilância integrado.

Caso os traficantes cruzem para o vizinho, este daria prosseguimento à operação, assumindo a sua captura. Desta forma, Brasil e Colômbia pretendem tentar reduzir a transformação da região em entreposto comercial de tráfico de drogas.

O governo brasileiro está preocupado porque, com a atuação das polícias mexicana e norte-americana nas fronteiras do México com os Estados Unidos, os barões da droga se viram obrigados a mudar de rota e passaram a procurar a Colômbia.

De acordo com fontes militares, esses traficantes estão "entrando de sola" para assumir os cartéis da droga na Colômbia e procurando as diversas passagens para o Brasil, não só por terra, mas também pelos rios. Daí a necessidade de reforço de atuação conjunta para que as Forças Armadas dos dois países atuem em sintonia na repressão.

As autoridades brasileiras não gostaram de o Brasil ser considerado pela Agência da ONU sobre Drogas e Crime (UNODC) como o principal país usado por traficantes para transportar a cocaína produzida na região dos Andes para a Europa. Há uma preocupação especial na região conhecida por Cabeça do Cachorro (noroeste do Amazonas) porque a linha de fronteira não é uma "terra seca", mas uma malha formada por ''rios entrantes''.

Por isso, o acordo vai estabelecer uma faixa de rios que os militares brasileiros e colombianos poderão percorrer dentro de um e de outro país. Os dois países querem estender para a fronteira terrestre o acordo em vigor sobre vigilância aérea. Nesse acerto, as forças aéreas brasileira e colombiana estabeleceram que numa faixa de 150 quilômetros para cada lado elas praticariam uma cooperação especial.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.