Brasil é o país em desenvolvimento que mais investe em acesso à água e saneamento

Gastos somam 0,11% do PIB, aponta Organização Mundial de Saúde (OMS); para entidade, problema é uso dos recursos

Edgar Maciel, O Estado de S. Paulo

19 de novembro de 2014 | 06h00

Um levantamento da Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que o Brasil é o País que mais investe em saneamento básico e acesso à água potável entre nações que ainda estão em desenvolvimento – um total de US$ 11,7 bilhões. Os números são relativos a 2012 e fazem parte do Relatório de Análise Global e Avaliação de Água Potável e Saneamento (Glaas, na sigla em inglês), que reúne dados de 93 países da América, África e Ásia. No entanto, em relação ao Produto Interno Bruto, os recursos deixam a desejar e representam apenas 0,11%, a quarta pior marca, na frente só de Sérvia (0,06%), Cuba (0,02%) e Uruguai (0%).

Essa é a segunda vez que o Brasil faz parte do levantamento. Em relação a 2012, o Brasil se manteve estável nos recursos para saneamento, água potável e higiene, investindo cerca de 75% do necessário para o setor. De acordo com o relatório, 59% dos gastos são para aumentar o porcentual de água potável disponível para a população. 

O principal gargalo apresentado pela pesquisa não é a falta de recursos no País, mas sim a má utilização pelo poder público. Menos de 50% do planejamento orçamentário para o orçamento é executado, revertendo em obras e investimento no setor. Nesse patamar, a implementação de um serviço adequado para a população se torna “insuficiente”, de acordo com o levantamento.

O Brasil é o terceiro País onde o usuário da água mais contribui com o investimento em saneamento básico. Cerca de 78% do valor investido pelo governo sai do bolso do consumidor. Apenas no Uruguai (81%) e na Colômbia (80%) esse patamar é maior. 

Melhorias. Os investimentos em saneamento e água potável registraram crescimento de 30% entre 2010 e 2012, passando de US$ 8,3 bilhões para 10,9 bilhões em recursos. Esse aumento fez, por exemplo, 2,3 bilhões de pessoas terem acesso a fontes diárias de água potável no mundo. 

Além disso, caiu a proporção de crianças que morrem por doenças ligadas à má qualidade da água: de 1,5 milhão para cerca de 600 mil ao ano.

Tudo o que sabemos sobre:
Saneamento básico

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.