Brasil e Taiwan à beira de um conflito. Por causa de Iruan

As dificuldades impostas pelas autoridades de Taiwan à volta ao Brasil do menino Iruan Ergui Wu, de oito anos, poderão levar os dois países a um conflito diplomático. O governo brasileiro já estuda a possibilidade de adotar sanções comerciais e de negar vistos a cidadãos taiwaneses se o garoto não for liberado para viajar até o dia 4 de fevereiro, novo prazo estabelecido pela Justiça daquele país para a repatriação. A informação foi divulgada pela deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) nesta quarta-feira, depois de uma reunião com o ministro da Divisão Jurídica e Consular do Itamaraty, Manoel Gomes Pereira.Órfão da mãe brasileira, o menino foi levado a Taiwan em março de 2001 para conhecer a família do pai, Teng-Shu Wu, quemorreu logo depois, vítima de um mal desconhecido. O tio Huer Eam Wu passou a reter o garoto alegando que ele preferepermanecer no Oriente. O caso foi para a Justiça. Em novembro do ano passado a Suprema Corte de Taiwan decidiu, em últimainstância, que Iruan deveria ser devolvido à avó materna, Rosa Leocádia Ergui, em Canoas, na região metropolitana de PortoAlegre.Desde então a família taiwanesa recorre a diversos artifícios para protelar a entrega do menino ao representante comercialbrasileiro em Taiwan, Paulo Pereira Pinto, representante legal da avó naquele país.Aos oficiais de Justiça que tentaram cumprir a sentença no dia 16 de janeiro informou que o garoto não estava em casa e nemna escola. Aos jornais e políticos locais, alega que o desejo de Iruan deveria ser respeitado. Pereira Pinto relata que, além da família, as autoridades taiwanesas estão impondo enormes dificuldades à repatriação. Aprincipal delas é a protelação da emissão de um passaporte para que o garoto possa viajar.Para tentar contornar esse problema, o Itamaraty vai providenciar um passaporte brasileiro que será enviado ao representante comercial nos próximos dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.