Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Brasil fecha acordo com a ONU para ampliar vistos para sírios

Em dois anos, Brasília espera dar pelo menos mais 8 mil vistos humanitários; tratado prevê ainda capacitação de consulados

Jamil Chade, Correspondente de O Estado de S. Paulo

05 de outubro de 2015 | 14h55

GENEBRA - O governo do Brasil e a Organização das Nações Unidas (ONU) assinam um acordo para acelerar e ampliar a concessão de vistos humanitários para sírios que estejam tentando sair da guerra e buscar refúgio no País.

O tratado foi assinado na tarde desta segunda-feira, 5, em Genebra e prevê a capacitação dos funcionários dos consulados do Brasil no Líbano, na Turquia e na Jordânia para que possam identificar de forma mais rápida os candidatos ao asilo, além de trocar informações sobre famílias registradas. 

O governo brasileiro estima que, nos próximos dois anos, dará pelo menos mais 8 mil vistos humanitários aos sírios, o volume que já havia sido registrado em dois anos do programa entre 2013 e 2015. 

Segundo Beto Vasconcelos, presidente do Comitê Nacional para os Refugiados, a ONU ainda terá o direito, pelo acordo, de também propor famílias que possam ser enviadas ao Brasil. "Esse é o número mínimo que esperamos atingir", explicou.

Elogiado pelo Alto Comissariado da ONU para Refugiados (Conare), o programa brasileiro já concedeu mais de 2,2 mil status de refugiados aos 8 mil sírios que se beneficiaram do programa de vistos humanitários. 

Mas o acordo permitirá que casos mais delicados possam ser processados de maneira mais ágil e que haja uma troca de informações. "Haverá uma maior segurança na concessão de vistos humanitários com a ajuda prestada", explicou ao Estado o presidente do Conare. 

"Por toda sua história, o Brasil recebeu pessoas de todo o mundo. Não será agora, diante da pior crise humanitária em 70 anos, que deixaremos de fazer isso", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.