Tiago Queiroz/Estadão - 1/7/2021
Tiago Queiroz/Estadão - 1/7/2021

Brasil fechará fronteiras aéreas para seis países da África a partir de segunda, diz Casa Civil

Restrição vale para passageiros de África do Sul, Botsuana, Eswatini, Lesoto, Namíbia e Zimbábue

Luiz Henrique Gomes e Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2021 | 20h24

O Brasil vai fechar as fronteiras aéreas para passageiros vindos de seis países do sul da África a partir da próxima segunda-feira, 29, devido à nova variante do coronavírus. A informação foi anunciada pelo ministro chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira, através de uma rede social nesta sexta-feira, 26. Uma portaria deve oficializar a medida no Diário Oficial da União neste sábado, 27.

A decisão, segundo o ministro, foi tomada em conjunto pela Casa Civil e pelos ministérios de Infraestrutura, Saúde e Justiça e Segurança Pública. “O Brasil fechará as fronteiras aéreas para seis países da África em virtude da nova variante do coronavírus. Vamos resguardar os brasileiros nessa nova fase da pandemia naquele país”, disse Nogueira.

A restrição vale para passageiros da África do Sul, Botsuana, EswatiniLesoto, Namíbia e Zimbábue. Mais cedo, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) havia recomendado ao governo brasileiro a restrição de voos destes países. Outras nações também anunciaram o fechamento das fronteiras para eles após o descobrimento da variante B1.1.529 do coronavírus, batizada “Ômicron” pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Até esta sexta-feira, o Brasil não registrou nenhum caso da nova variante, segundo o Ministério da Saúde. “A pasta está em constante vigilância e analisa, de forma conjunta com vários órgãos do governo federal, as medidas a serem tomadas”, disse o Ministério por meio de nota.

O País também não teve nenhum voo comercial, direto ou com escalas, nas últimas semanas dos países sul-africanos, de acordo com a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). O órgão também informou que não existe a previsão de voos futuros.

São poucas empresas aéreas que fazem voos do continente africano para o Brasil. A principal delas é a Ethiopian Airlines, mas a Etiópia não está entre os países de risco no momento. Ela pode receber voos internos regionais e depois trazer os passageiros para o Brasil, mas esses dados não são divulgados. A empresa alega preservação da privacidade dos passageiros. Já a Air France/KLM pode trazer passageiros do sul da África, mas eles teriam de passar por escalas em Paris ou Amsterdã. E a Qatar Airways só tem voos de Doha, capital do Catar, para o Brasil.

Até o momento, as secretarias estaduais e municipais de saúde ainda não iniciaram nenhuma medida nova em resposta à nova variante. O que eles já vinham fazendo é observando o sequenciamento genético dos casos positivos.

Segundo a OMS, a nova variante parece ter maior transmissibilidade e provavelmente está ligada ao aumento contínuo de infecções por coronavírus nos referidos países, cuja cobertura vacinal ainda encontra-se baixa. Uma análise mais aprofundada da OMS está em andamento para determinar o impacto epidemiológico dessa variante.

Tudo o que sabemos sobre:
coronavírus

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.