Tiago Queiroz/Estadão
Tiago Queiroz/Estadão

Brasil registra em 2014 o maior número de assassinatos da história

Segundo dados do 'Atlas da Violência 2016', houve 59.627 homicídios no País, o que o torna o campeão mundial de mortes

Alfredo Mergulhão, O Estado de S. Paulo

22 de março de 2016 | 10h30

RIO - O Brasil se tornou o país campeão mundial de assassinatos, em números absolutos, com os 59.627 homicídios registrados em 2014, de acordo com o Atlas da Violência 2016, divulgado nesta terça-feira, 22, pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). A quantidade de crimes registrados pela pesquisa representa 13% dos homicídios no mundo naquele ano.

Os dados captados pelos pesquisadores também revelaram que a maioria dos crimes foi cometida com armas de fogo, que a violência avançou para o interior e os principais afetados continuam sendo jovens e negros.

A taxa obtida pelos pesquisadores é de 29,1 homicídios por 100 mil habitantes, em 2014, aumento de 10% na comparação com 2004.

Os pesquisadores classificaram os dados como uma “tragédia” que traz implicações na saúde, na dinâmica demográfica e, em consequência, no processo de desenvolvimento econômico e social. “Nós somos um país doente, com quase 60 mil homicídios em um ano, o que nos coloca em uma situação muito grave. Está na hora de fazer um pacto entre os governos federal, estadual, municipal e a sociedade civil para mitigar esse problema”, defendeu o economista Daniel Cerqueira, do Ipea.

Jovens. As principais vítimas da escalada da violência são os jovens brasileiros, sobretudo os do sexo masculino. Das mortes de homens na faixa etária de 15 a 29 anos, 46,4% são ocasionadas por homicídios. A situação fica ainda mais grave na análise dos assassinatos de homens com idade entre 15 e 19 anos: o indicador passa para 53%.

A mortalidade de jovens no Brasil é um fenômeno observado desde os anos 80 do século passado. No decorrer das décadas, a pesquisa constatou que as vítimas estão cada vez mais jovens. O pico de homicídios em 1980 era aos 25 anos. Em 2014, já estava nos 21 anos.

Além da juventude, outra característica dos homicídios é a prevalência de negros entre as vítimas. Em 2014, para cada não negro que sofreu homicídio, 2,4 indivíduos negros foram mortos. No período analisado, foi registrado crescimento de 18,2% na taxa de homicídio de negros e pardos, enquanto houve redução de 14,6% na de brancos, amarelos e indígenas. 

Mulheres. O estudo também observou aumento da violência de gênero. Entre 2004 e 2014, a taxa de homicídio de mulheres por 100 mil habitantes aumentou 11,6%. Só no último ano analisado na pesquisa, foram 4.757 mulheres vítimas de mortes por agressão, ou 13 por dia.

Os três Estados com maiores taxas de letalidade contra as mulheres foram Roraima (9,5), Goiás (8,8) e Alagoas (7,3).

Também chamou a atenção dos pesquisadores a falta de dados confiáveis relativos à violência policial. Há uma discrepância entre os números do Ministério da Saúde com aqueles informados pelas Secretarias Estaduais de Segurança Pública. O estudo sustenta que é evidente a subnotificação dessas mortes, em geral violentas.

Crimes avançam no interior e diminuem nos grandes centros

A incidência de assassinatos avançou pelo interior do Brasil, em localidades menos populosas, enquanto houve redução nas áreas mais povoadas. A difusão de homicídios aconteceu sobretudo no Nordeste. Das 20 microrregiões mais violentas, 14 ficam em Estados nordestinos. A de São Luís (MA) encabeça a lista, com taxa de 84,9 homicídios por 100 mil habitantes.

Os maiores aumentos no indicador, de 2004 a 2014, também foram registrados no Nordeste. A microrregião de Senhor do Bonfim (BA) teve o crescimento mais expressivo, de 1.136,9% neste período. A de São Paulo está na outra ponta da estatística, com diminuição de 65% na taxa de homicídios. “A redução da taxa em grandes cidades vem a reboque do que aconteceu no Sudeste, que melhorou a investigação, fez experiências de polícia atuando com as comunidades e projetos que atingiram cidades mergulhadas na violência das regiões metropolitanas”, disse o economista Daniel Cerqueira, do Ipea. Em relação às cidades pequenas, a principal explicação está relacionada ao aumento de renda, que atraiu mercados ilícitos.

O avanço geográfico da violência está acompanhado da circulação de armas de fogo, responsáveis por 76,1% dos 59.627 homicídios no Brasil em 2014. Em 2003, quando foi sancionado o Estatuto do Desarmamento, o porcentual era de 77% dos 39.325 homicídios.

Os pesquisadores minimizam a redução no período. A pesquisa fez a projeção para um cenário no qual o Estatuto do Desarmamento não tivesse sido sancionado. O resultado mostra que haveria 41% homicídios a mais caso a lei não estivesse em vigor. O porcentual corresponde a 22.776 vidas poupadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

  • Novembro Azul: entenda a campanha de prevenção do câncer de próstata
  • DPVAT: o que é e como funciona o seguro obrigatório?
  • Yuval Harari: “Algoritmos entendem você melhor do que você mesmo se entende”

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.