"Brasil sem armas" reúne 40 mil pessoas no Rio

Apesar da chuva, cerca de 40 mil pessoas, entre elas dois ministros, participaram da passeata ?Brasil sem armas?, na orla de Copacabana, para pressionar o Congresso Nacional a aprovar o Estatuto de Desarmamento. Parte dos manifestantes não poupou o secretário de Segurança Pública, Anthony Garotinho, que foi vaiado ao ter sua presença anunciada pelo locutor. Ele chegou meia hora após o início da caminhada e não cumprimentou nenhum dos integrantes do governo federal, que estavam em uma ala separada.Além dos ministros da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e das Comunicações, Miro Teixeira, compareceram o secretário especial dosDireitos Humanos, Nilmário Miranda, o presidente da Câmara, João Paulo Cunha, o secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Eduardo Soares, e o relator do estatuto na Comissão de Constituição e Justiça, deputado federal Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP). A governadora Rosinha Matheus não participou do evento por estar resfriada.Cerca de 200 metros à frente do grupo, Garotinho ignorou os representantes do governo federal e sugeriu, em tom de brincadeira, que as vaias dirigidas a ele tinham como alvo os parlamentares e ministros. O secretário garantiu não ter percebido nenhuma atitude hostil contraele, embora, ao passarem, manifestantes tenham gritado frases como ?Sai fora, Garotinho?. Ao contrário dos ministros, o secretário andou quase todo o percurso cercado por seguranças e por umaclaque.A passeata, organizada pela organização não-governamental Viva Rio, reuniu grandes grupos, como o dos amigos e parentes do comerciantechinês naturalizado brasileiro Chan Kim Chang, espancado até a morte no presídio Ary Franco, em Água Santa, e da estudante Gabriela PradoRibeiro, que morreu ao ser atingida por uma bala durante tiroteio em uma estação do metrô carioca, além do manifestantes solitários. Organizados em forma de escola de samba, os manifestantes montaram Alas, como a das vítimas da violência, a do hip-hop, do poder público, dospoliciais civis e militares, dos moradores de favelas e, encerrando o desfile, a ala dos gays, que levou uma bandeira de 124 metros com osímbolo da classe, um arco íris. Com chuva forte, porém, a bandeira ficou muito pesada e não faltou força física para levantar o arco-íris.Os manifestantes não eram só militantes da paz, mas também muitos fãs de artistas famosos da novela das oito, Mulheres Apaixonadas. Parte doelenco gravou cenas na passeata (elas vão ao ar hoje). A chegada dos atores causou um grandetumulto, com fãs que gritavam e choravam ao verem seus ídolos de perto.Depois de duas horas e vinte minutos de caminhada, o ministro das Comunicações, Miro Teixeira, os deputados federais petistas João Paulo Cunha, Luiz Eduardo Greenhalgh, Jorge Bittar e o estadual Carlos Minc pararam para um chope no restaurante Flor do Lido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.